Amplificador Fender Princeton ’62 Chris Stapleton Edition

amplificador-fender-princeton-combo-brownface

Por mais que o blackface Fender Princeton e o Deluxe Reverb tenham se tornado clássicos de estúdios e palcos, muitos guitarristas reconhecem a doçura e a magia de seus antecessores brownface café com leite. O artista country vencedor do Grammy Award, Chris Stapleton, é um deles, e ele usa há tempos um combo ligeiramente modificado de 57 anos de idade que inspirou este lançamento, o amplificador Fender Princeton ’62 Chris Stapleton Edition.

Com uma versão da fiação ponto a ponto do clássico circuito 6G2 e um gabinete corretamente vintage, esta reedição do Princeton troca o falante original de 10″ por um mais robusto de 12″, o que resulta em um equipamento surpreendentemente musculoso em um pacote relativamente delicado.

Tocado usando uma Fender Telecaster com o captador da ponte, gravado com um microfone Coles 4038 ajustado na frente do amplificador, direto para o Pro Tools através de um Universal Audio Apollo Twin Duo.
As três primeiras passagens têm o volume do Princeton em 4 e tone em 6, a passagem 2 tem velocidade de tremolo definida no mínimo e depth em 6, a passagem 3 tem velocidade de tremolo definida como 6 e depth em 5. A passagem final tem volume do amplificador em 7 e tone em 7.

Belezinha compacta

De relance, é fácil classificar o Princeton como um amplificador para estudo que a Fender projetou para parecer que voltamos a 1961. As especificações básicas também não mudam esta percepção. Com saída de 12 watts gerados por duas válvulas 6V6GT e controles apenas para volume, tone e tremolo (velocidade e intensidade), todos alojados em um gabinete compacto de 48cm x 40,6cm x 24cm e pesando pouco mais de 15 quilos, este amplificador Fender Princeton não parece que entrega mais do que o necessário para uma jam no seu quarto, garagem ou barzinho – mesmo considerando a adição do alto-falante Eminence CS de 12″ de ímã cerâmico. Mas, como muitos artistas descobriram ao longo dos anos, o tamanho do Princeton pode ser enganador. Prepare-se para rever seus preconceitos.

Embora muitos amplificadores de 1961/1963 tenham sido antecipações dos modelos blackface que viriam depois, em termos de desenvolvimento de circuitos, o 6G2 Princeton realmente se posiciona entre os menores combos tweed dos anos 50 e os amplificadores blackface e silverface do final dos anos 60.

Com um front end simples de pré-amplificador valvulado de apenas uma 12AX7, controle de volume e tone entre o primeiro estágio de ganho e um segundo estágio de distorção, além de um inversor de fase (split-lode) que usa metade de uma 12AX7 adicional, o brownface Princeton segue o circuito do lendário 5E3 tweed Deluxe até o ponto em que o sinal atinge as válvulas de saída, e todos nós sabemos o que aqueles pequenos combos podem fazer.

As válvulas 6V6GTs no Princeton 6G2 atuam com bias fixo, então há um pouco mais de firmeza no estágio de saída do que nos derivados dos 5E3 Deluxe com bias auto-ajustável. Como resultado, ele não comprime tão facilmente quando é forçado. A válvula retificadora 5Y3 significa que há muita sensibilidade e resposta dinâmica ao toque. A metade restante daquela segunda 12AX7, enquanto isso, é utilizada em um circuito de tremolo simples que é um dos melhores que há em um amplificador compacto. Como um circuito de modulação de bias atuando diretamente nas válvulas de saída (e acionado através do footswitch de um único botão), ele é exuberante, redondo e quente.

Dentro do chassi, a Fender fez um ótimo trabalho ao replicar a construção feita a mão de fiação ponto a ponto, ao mesmo tempo em que incluiu atualizações exigidas pelos padrões modernos de segurança e métodos de produção. Os componentes, incluindo os transformadores Schumacher, são de alta qualidade. Externamente, o ’62 Princeton se parece tanto com um dos originais – com gabinete de pinho maciço, Tolex, trama do tecido, botões, painel marrom e alça de couro – que podemos facilmente confundi-lo com um combo vintage, até que sejam notadas as características do século 21, como a gaiola de segurança em torno das válvulas e uma placa comemorativa dourada de Chris Stapleton.

circuito-do-amplificador-fender-princeton

Brown Sound

O teste foi feito com uma Fender Telecaster 1957 e uma reedição da Gibson Les Paul de 1958, o Princeton Stapleton logo se revela como um lobo em pele de cordeiro. A Fender acertou na mosca. Ele soa fantástico com qualquer regulagem: autenticamente brownface, mas com a voz mais cheia que um alto-falante de 12″ pode conferir a um circuito.

Ele se destaca em sons limpos crocantes que são afiados e tem um pouco de granulado, em comparação com combos similares inspirados nos blackfaces. Isso significa que também há timbres suculentos no limite da distorção quando você empurra o volume. Coloque o volume por volta da posição meio-dia com a Les Paul, ou 1h com a Telecaster, e você ouvirá um overdrive carnudo e espesso com clareza e uma perceptível ponta de harmônicos – uma deliciosa distorção do tipo estágio de saída que não tem a característica magra de muitas distorções geradas por pré-amplificadores. Acrescente o tremolo saboroso, que é um circuito verdadeiramente doce, e o Stapleton está definitivamente repleto de possibilidades sonoras.

É também impressionante a relativa dispersão sonora deste pequeno combo. Muitos gabinetes pequenos projetados para um único alto-falante 10″ podem soar encaixotados, nasais e tímidos quando equipados com falantes de 12″, mas não este aqui. Note, também, que este é um amplificador que soa surpreendentemente alto para o seu tamanho e potência, sendo assim, pode ser útil usar um atenuador de saída para obter sons crunch e timbres de solo em volumes amigáveis à vizinhança (ou até mesmo em bares pequenos). Dito isso, ele funcionou lindamente com um TS9 Tube Screamer e um overdrive da Bogner Wessex durante os testes, então um bom som de overdrive não precisa necessariamente desrespeitar a lei do silêncio.

fender-princeton-de-traseira-aberta

O veredito

Os circuitos brownface têm sido populares entre os construtores de butique, e certamente há uma sensação muito legal de viagem no tempo ao ouvir o som brownface real e experimentar a alta qualidade de um amplificador com a placa de identificação Fender na grade. O amplificador Fender Princeton ’62 Chris Stapleton Edition é um impressionante combo, com voz e musculatura complexos que contradizem suas dimensões e potência. E embora possa ser um pouco caro para o seu tamanho, há pouco a melhorar na construção, por dentro ou por fora.

Assista ao primeiro contato:

Dave Hunter

© Artigo originalmente publicado em Premier Guitar, traduzido e publicado por Musicosmos sob licença de Premier Guitar. Todos os direitos reservados. All rights reserved. Visit www.premierguitar.com

DEIXE UM COMENTÁRIO

Por favor escreva seu comentário!
Por favor insira seu nome aqui