Por Mike Metlay, da Músico Pro.

David Glasser, diretor do estúdio Airshow Mastering e duas vezes vencedor do Grammy®, tem uma reputação de décadas de bem pensada masterização musical em muitos gêneros, incluindo os exigentes campos do Folk, Blues, Bluegrass, Modern Americana e muitos mais. Em sua nova instalação no alto das montanhas, com vista para a pitoresca cidade de Boulder, o Airshow Mastering continua a ocupar um lugar de respeito no mundo da masterização, com remasterizações em andamento do catálogo do Grateful Dead como uma das muitas pérolas em sua sua história.

Apesar de tudo isso, David continua sendo uma pessoa amigável e acessível, equilibrando seu trabalho de mestrado com seu hobby de combater incêndios nas montanhas. Foi ótimo sentar com ele e compartilhar um almoço para falar sobre o que há de novo e o que está acontecendo no mundo da masterização.

foto-de-david-glasser-engenheiro-de-masterização
David Glasser

Em que está trabalhando neste momento?

Temos diversos grandes projetos em andamento. Acabei de terminar uma gravação com Gareth Laffely, um flautista nativo americano, com orquestra completa, gravada no Skywalker com a narração do ator Wes Studi. Isso foi ótimo. Eu também trabalhei recentemente em um álbum de um sexteto de jazz com um trompetista com quem eu trabalho muito, chamado Terell Stafford, que é baseado na Filadélfia. Além disso, também terminei um projeto com uma artista local chamada Cass Clayton.

O que te atraiu neste projeto?

Bem, eu trabalho muito com Geoff Gray (do Far & Away Studios, que recentemente mudou sua instalação para Boulder, Nova York). É um dos muitos projetos que Geoff tem atualmente. Ele leva muito tempo nutrindo e desenvolvendo seus projetos na pré-produção. Ele trouxe Cass um dia ao estúdio cerca de um ano atrás; nós ouvimos algumas de suas coisas, assim como coisas de outros artistas, e então começamos a ver o que cada um gostava.

Ela estava presente durante a sessão de masterização?

Geoff não pôde estar lá, mas Cass foi. Ela não tinha muita experiência no assunto, mas estava lá aprendendo tudo.

Então, você ainda encontra pessoas que acham que masterização é magia negra?

Espero não encontrá-los mais! [risos] É a coisa mais idiota que já ouvi na minha vida.

Eu ainda ouço de muitas pessoas que pensam assim. É uma percepção que suponho que temos que mudar e que David Glasser obviamente não compartilha.

Se as pessoas querem tirar o máximo proveito de uma sessão de masterização, elas precisam saber o que é e o que isso implica. Masterizar não é uma caixa de mistérios.

Você está ouvindo novos problemas no material que está recebendo… coisas que você nunca ouviu antes?

Não, nada de novo. Quando ouço problemas, é o tipo de coisa com a qual os engenheiros de masterização lidam há muito tempo. Eu ouço muitas pessoas trabalhando em um ambiente sem contexto, sem condições ideais, sem muita experiência; e isso se torna aparente em vários assuntos. Por outro lado, há também muito material que é realmente ótimo e que também foi produzido sob condições similares, então eu realmente acho que é uma questão de experiência.

Eu suponho que muito é devido ao monitoramento?

Monitoramento é definitivamente um problema e, claro, incluído no monitoramento está todo o ambiente de monitoramento, a sala. Você pode ver quando as pessoas não entendem que existe uma diferença entre o que elas estão ouvindo e o que realmente está acontecendo, mas a culpa não é toda dos monitores.

Inexperiência aparece de várias formas… não entender o fluxo básico de sinal e gain staging. Essas coisas são realmente a base desta arte. As pessoas que trabalham no computador podem esquecer que ainda precisa de um gain staging apropriado.

Qual resolução e frequência de amostragem a maioria dos clientes usa para as mixagens que enviam para omastering? São principalmente arquivos WAV a 24 bits e 96 kHz?

Eu recebo muitas coisas em 24/96. Alguns engenheiros preferem trabalhar em 24/88.2; Alguém poderia pensar que produziria um resultado melhor em 44.1, mas fazer as coisas corretamente é tão difícil quanto é com 96, porque há filtragem envolvida. Ocasionalmente nos mandam coisas em 192 kHz.

Qual é a sua opinião em geral sobre o tema 96 contra 192?

Se tudo mais ficar constante, e geralmente não é isso que acontece, eu prefiro 192.

Como assim? A maioria das pessoas não consegue ouvir além de 16 kHz, e as pessoas no mundo do rock geralmente têm menos capacidade do que isso. Podemos ouvir os benefícios sonoros do áudio de alta definição, mesmo em testes cegos… mas de onde vem isso?

Você está familiarizado com o MQA (Master Quality Authenticated)? Eles estão fazendo algumas coisas interessantes. O aspecto que está recebendo toda a atenção da imprensa é como eles dobram um arquivo de alta resolução no tamanho de um arquivo 44.1 ou 48. Mas outro aspecto, a parte mais interessante, é a filtragem que eles estão fazendo. Eles eliminam a mudança de fase nos conversores, e isso faz muito mais diferença do que qualquer resposta de freqüência estendida.

Essa é uma das principais tecnologias do MQA, mas mesmo sem o MQA, quanto mais alto você definir sua taxa de amostragem, mais alto você pode mover a freqüência de Nyquist, e você pode mover a mudança de fase e o som desagradável nos filtros para que as pessoas não possam ouvir.

Novas tecnologias nas palavras de David Glasser

O que há de novo e excitante em seu estudio? Algum novo equipamento que valha a pena mencionar?

Na verdade, faz muito tempo desde que eu comprei algo novo. Minha última aquisição de hardware foi um compressor / expansor MASELEC de 3-bandas, que eu uso ocasionalmente porque faz algumas coisas que nenhum outro equipamento pode fazer. Eu tenho muitos produtos Leif Mases… Eu tenho um dos consoles de transferência analógicos que ele construiu. Quanto ao software… eu comprei alguns plug-ins

Eu ainda trabalho principalmente no soundBlade (Sonic Studio), mas também tenho trabalhado no Pyramix (Merging Technologies). Provavelmente faça essa transição, mas vai ser um movimento importante. Eu não quero executá-lo no Boot Camp em um Mac, há muitos problemas. Então, só para esse programa, eu estou começando a trabalhar no Windows, e pensando como vamos mudar o nosso cabeamento e redes…

Considera usar hardware Merging como o Horus ou o Hapi?

No momento, não estou procurando por conversores de Merging. Eu tenho conversores da Prism Sound e Pacific Microsonics, e estou muito feliz com eles.

Existe alguma outra tecnologia por aí que você acha que vale a pena para nossos leitores?

A única coisa que eu acho que as pessoas deveriam saber mais sobre os Plangent Processes. Não é algo novo; Jamie Howarth tem trabalhado com eles há algum tempo. Mas ainda é a tecnologia que mais me entusiasma, considerando o que você pode fazer para melhorar a qualidade da reprodução da fita.

Em um mundo ideal, haveria uma plataforma na qual não precisaríamos enviar arquivos para serem processados; O Sonic Studio NoNOISE seria assim. Ainda não neste ponto, mas é uma ótima tecnologia.

Então você o tem usado para minimizar o wow e flutter em algumas das coisas do Grateful Dead?

Nós o usamos em quase todo o material do Grateful Dead. Para as remasterizações, temos mixes originais de 2 faixas. Para outras coisas, Jeffrey Norman mixa a partir de multipistas analógicas. Tenho masterizado muito disso.

Temos equipamentos que John French fez reproduzindo eletrônicos feitos pela Plangent com funções que nos permitem isolar a frequência de polarização.

Para os nossos leitores saberem, é assim que funciona o processo Plangent: ajusta-se a reprodução com base na frequência de polarização da fita original, que é completamente inaudível para os humanos, mas que pode ser captada pelo hardware da Plangent. Isso permite uma limpeza muito precisa de pequenas flutuações… e a frequência de polarização é algo como 100 kHz, certo?

Isso depende da máquina de fita. Alguns dos modelos antigos tinham frequências de polarização tão baixas quanto 80kHz, o Studer A80 era de cerca de 250kHz… o ATR era de cerca de 450kHz e algo tão alto não pode ser recuperado, mas há outras maneiras de trabalhar com essas fitas.

É um processo intenso… Estou assumindo que a razão para enviar áudio para a Plangent é porque a tecnologia é muito especializada, e eu me pergunto se isso vai mudar.

Seria um ótimo projeto de desenvolvimento de software, até para automatizar parcialmente o que Jamie está fazendo. Não é ótimo só para recuperar fitas em condições ruins; Mesmo em coisas que você acha que estão boas, melhora a qualidade.

As pessoas esquecem disso: as fitas são gravadas em um dispositivo mecânico e os artefatos introduzidos na máquina de fita são ordens de grandeza maiores do que os dispositivos de amostragem digital.

Distribuição de música

Estou curioso sobre como as coisas mudaram em relação ao seu fluxo de trabalho versus como a música é lançada agora… temos mídia de streaming ultra-compactada disponível em todos os lugares, mas também material de alta definição acessível através de serviços como o Tidal.

Bem, a masterização em si não mudou muito. O objetivo é trazer o melhor da gravação. O que mudou foram os formatos de distribuição. Anna Frick (Engenheira Dominante e Gerente do Centro de Restauração no Airshow) e eu temos falado sobre isso recentemente; temos que atualizar alguns dos nossos registros.

No passado, quando alguém estava masterizando um projeto conosco, chegávamos ao CD e nada mais. Agora, claro, sempre há várias entregas.

Geralmente ainda há um CD, assim como arquivos WAV com qualidade de CD para a maioria dos serviços de streaming, assim como os arquivos Mastered For do iTunes. Nós preparamos os arquivos WAV, mas a codificação é feita em Apple. Todos os grandes serviços de streaming fazem sua própria codificação.

Alguns leitores se perguntam se eles devem entregar em formato MP3.

Não, nunca entregue nada com perda de qualidade. Esses serviços tornam isso muito claro. A maioria dos independentes usa serviços como o CD Baby ou o TuneCore, e o procedimento é bem explicado. Eles irão guiá-lo rigorosamente no que você precisa fazer. Por outro lado, mais e mais pessoas agora lançam LPs, que requer uma masterização própria.

Com o ressurgimento do vinil, você trabalha em projetos nesse formato com frequência?

Nós definitivamente vimos um aumento nisso. Eu amo vinil, embora eu não ouça muito material nesse formato. Um de nossos projetos em andamento é a remasterização do catálogo da Grateful Dead para o 50º aniversário de seus lançamentos iniciais. No ano passado, nós remasterizamos o primeiro álbum deles. Anthem Of The Sun acabou de sair e estamos trabalhando no Aoxomoxoa. Junto com o pacote de CDs de luxo, estão oferecendo discos de imagem para colecionadores.

Nós não temos um torno, então nós não cortamos o vinil nós mesmos. Quanto à masterização para o torno, não faço nenhum processamento diferente do que faço para um CD… exceto para os níveis finais. Se o engenheiro que está cortando a laca precisar mudar alguma coisa, como um pouco de roll-off na extremidade grave ou colocar um de-esser ou reduzir um pouco o nível, tudo bem. Eu prefiro deixar isso para ele.

Como as pessoas do vinil gostam de receber as entregas agora? Todos em downloads?

Tudo em download hoje em dia! Acho que enviamos talvez dois pacotes Fedex por mês. Antigamente o estúdio tinha uma pilha de seis pacotes físicos para transportar todos os dias.

Você ainda está vendo muitos projetos para o lançamento de DSD e SACD?

Não, quase nada. Ainda temos a equipe aqui, e ainda temos um punhado de clientes que estão fazendo o SACD para os mercados da China, Hong Kong ou Cingapura.

Ocasionalmente recebemos mixagens em DSD; o disco de Terell Stafford que acabei de masterizar veio em DSD e soou fabuloso. Eu tenho um par de clientes que estão fazendo downloads de audiófilos em DSD, mas isso é uma pequena parte do meu negócio. Arquivos WAV de alta definição são predominantes agora.

Há pessoas lançando cassetes?

De vez em quando sim, mas é raro.

Lembro-me dos meus anos na cultura dos cassetes nos anos 80, sonhando com quando teria o orçamento para fazer um CD…

A outra maneira de ver, e é assim que abordo dia a dia, é que sou a favor de qualquer coisa que faça as pessoas comprarem música.


Originalmente publicado na revista Músico Pro – Traduzido e publicado por Musicosmos com autorização de ©Music Maker Publications, Inc. – Todos os direitos reservados. All rights reserved. Visit musicopro.com

DEIXE UM COMENTÁRIO

Por favor escreva seu comentário!
Por favor insira seu nome aqui