Álbum clássico: One Nation Under a Groove, do Funkadelic

O 10º álbum do Funkadelic, e seu maior sucesso comercial, One Nation Under a Groove, foi o ponto de entrada para muitos fãs mundo afora.

Uma pérola underground nos Estados Unidos desde 1970, o grupo ainda não tinha muita popularidade fora dos EUA. Mas em 1978, a parte Funkadelic da nave-mãe P-funk liderada por George Clinton transformou-se de um conjunto de funk-rock encharcado de ácido para algo chamado Parliament, sua banda-irmã e fábrica de sucessos.

One Nation Under a Groove imediatamente angariou novos ouvintes para dentro do universo paralelo de Clinton, com todas as suas idéias, mitologia e músicos de nomes estranhos. Por exemplo, Bootsy Collins é um dos “Bass Thumpasaurians” do álbum, e Bernie “DaVinci” Worrell e Walter “Junie” Morrison eram “Keybo ‘Dans & Synthezoidees”.

Quando Clinton concebeu a faixa-título do disco a partir do comentário de uma namorada quando estava fazendo um filme do lado de fora da ONU – ela deu à empreitada do P-Funk um de seus maiores sucessos e uma Declaração de Intenções para a visão selvagem de Clinton.

A faixa é indiscutivelmente o maior sucesso popular de Clinton: flexível, ágil e funky, evocando o passado e o presente do soul com um refrão matador. Com sua mistura de Funkadelic Blamgusta Vocaloids (Voices For Da Nation!) – Clinton, Morrison e Garry Shider – o single foi o número um na parada de R&B dos EUA por seis semanas.

A faixa também alcançou um nono lugar respeitável ​​na Grã-Bretanha. Seria a única incursão do P-Funk nas paradas britânicas, embora Clinton mais tarde tivesse algum sucesso solo. One Nation… foi (é!) rico em batidas, grooves repetitivos – Who Says a Funk Band Can’t Play Rock (Quem Disse que uma Banda de Funk Não Pode Tocar Rock) faz exatamente o que seu título sugere.

O álbum inicialmente veio com um single gratuito que mostrou que a banda não perdeu de vista a sua missão original. Trazia uma versão ao vivo de seu sucesso Maggot Brain de 1971, com o trabalho de guitarra de Mike “Kidd Funkadelic”, tocando o solo do ex-membro Eddie Hazel perfeitamente.

One Nation Under a Groove como um todo pode não representar o melhor trabalho do P-Funk, mas certamente é memorável e atua como uma introdução perfeita à estranha realidade alternativa de George Clinton, repleta de funk.

Licença Creative Commons

DEIXE UM COMENTÁRIO

Por favor escreva seu comentário!
Por favor insira seu nome aqui