A magnífica obsessão de Geddy Lee

livro-Big-Beautiful-Book-of-Bass-de-Geddy-Lee
De David Von Bader, da Premier Guitar

No ano passado, após quatro décadas de turnês e gravações, os gigantes do rock progressivo, Rush, pararam após a aposentadoria do baterista Neil Peart. Eles continuam sendo amigos próximos, o baixista/vocalista Geddy Lee e o guitarrista Alex Lifeson não descartam a possibilidade de uma colaboração futura, mas cada um dos membros do Rush atualmente vive a vida como um show solo.

Lee é um colecionador voraz de tudo, desde vinhos a figurinhas de beisebol, e ao longo da última década tem se voltado cada vez mais para os instrumentos vintage. O virtuoso diz que inicialmente partiu com a modesta intenção de buscar bons exemplos dos instrumentos usados por seus heróis musicais: um Fender Jazz de 1962 como John Paul Jones usou no Led Zeppelin, um Gibson EB-3 como o de Jack Bruce no Cream , e assim por diante. No entanto, Lee foi contaminado com a maldição do colecionador, e sua curiosidade cresceu com a aquisição de cada instrumento antigo. Questões sobre a evolução de modelos específicos e os espaços que eles ocuparam na relativamente curta história do baixo elétrico levaram Lee a ir mais fundo.

Eventualmente, Lee, que anteriormente só comprava baixos como ferramentas para criar música, acumulou uma coleção de mais de 250 exemplares antigos. Em seguida veio a ideia de documentar sua incrível coleção e paixão pelo instrumento em um livro. Assim, Geddy Lee’s Big Beautiful Book of Bass foi publicado em dezembro de 2018. O volume apresenta fotos de alta qualidade e anotações sobre os baixos da coleção de Lee, entrevistas com alguns dos baixistas célebres que moldaram seu universo musical – incluindo John Paul Jones e Bill Wyman, dos Rolling Stones, e mostra a transição de Lee de colecionador para arqueólogo do baixo.

A Premier Guitar (traduzida e republicada por Musicosmos) falou com Lee por telefone enquanto ele descansava em sua casa em Toronto com seus amados Norwich Terriers. A conversa abordou a paixão de Lee por colecionismo e seu novo livro, alguns dos raros instrumentos que ele agora é o guardião, os desafios da música do Rush e o que o futuro pode guardar para ele como músico.

livro-com-a-historia-dos-baixos-raros-do-geddy-lee

A coleção de baixos que você montou é bastante surpreendente.

Não foi uma tarefa fácil, e foi uma espécie de curso intensivo para mim. Considerando que eu tenho tocado por mais de 42 anos, eu provavelmente deveria conhecer metade dessas coisas, mas colecionar vintage não era minha praia. Essa coisa toda vintage veio até mim ao longo dos últimos, talvez, 10 anos. Antes disso, eu só estava olhando para os meus instrumentos como ferramentas para obter os sons e a tocabilidade que eu precisava ter no palco e no estúdio.

Quando eu era criança, eu colecionava selos, e quando eu me liguei à música, eu formei uma grande coleção de vinis e era bem fanático com isso. Ao longo dos anos, comecei com livros de primeira edição, coisas de beisebol, e depois o “problema” do vinho, mas colecionar baixos e fazer este livro realmente pareceram a primeira vez em que eu estava retribuindo algo ao instrumento que me deu tudo na vida. Foi um projeto que não apenas me instruiu em termos de como era o mundo dos instrumentos entre 1950 e 1980, mas também foi meio que um círculo completo para mim, já que o primeiro bom instrumento que comprei foi o Fender 1968.

Houve algum baixo específico que catalisou sua transição de músico para colecionador?

Sim. O primeiro instrumento que comprei como colecionador foi um Fender Precision Bass de 1953, e eu o queria porque é meu ano de nascimento. Os colecionadores parecem procurar coisas de seu ano de nascimento como uma espécie de coisa de ego. Eu acho que todo mundo quer celebrar a sua própria entrada no mundo, certo? Então foi aí que tudo começou para mim e foi uma peça muito importante porque, ao pesquisar essa peça, aprendi como o início de 1953 foi realmente para o baixo elétrico, que foi lançado como algo comercialmente disponível apenas em 1951. Esse baixo realmente me fez pensar sobre esse período e, como colecionador, é o acesso a uma janela na história que realmente me motiva. Com isso, comecei a aprender sobre Leo (Fender) e comecei a me interessar muito pelas mudanças que aconteceram nos primeiros 10 anos do P Bass, porque de 51 a 61 esse instrumento passou por muitas mudanças conforme Leo mexia nele procurando a versão ideal do baixo Precision. Essas primeiras iterações e as modificações que ele fez são interessantes não apenas para aprender sobre esse instrumento, mas também para aprender sobre o que fez Leo Fender ter sucesso. Basta dizer que Leo é um personagem bastante interessante na história dos instrumentos antigos. Esse foi um aspecto que realmente me animou, e então comecei a olhar para outros instrumentos também.

Desde que comecei a usar meu Fender Jazz Bass de 1972 como meu instrumento principal, no início dos anos 90, eu estava obcecado em encontrar um substituto para ele com um timbre equivalente. Tive muita dificuldade em encontrar um que soasse igual e sempre me perguntei por que certos instrumentos têm um som específico e por que é tão difícil encontrar outros que soem da mesma maneira. Isso me levou à minha caça ao Jazz Bass, e eu tinha ouvido tantas coisas sobre a era pré-CBS da Fender, que eu realmente queria entender o que tinha acontecido de 1960 e 1972 para fazer o meu Jazz Bass principal ser como é, e por quantas mudanças esse modelo passou durante esses anos. Foi semelhante ao que o P Bass passou nos seus primeiros 10 anos, com mudanças realmente dramáticas no design? Esse tipo de pergunta me levou a mergulhar mais fundo.

geddy-lee-tocando-um-fender-jazz-bass
Depois de décadas tocando Rickenbackers, inspirado por seu herói Chris Squire, Lee adotou o Fender Jazz Bass como seu instrumento principal. Foto de Clalansingh [CC BY 3.0], via Wikimedia Commons

Eu acho incrível como você se aprofundou na arqueologia do baixo – especialmente em relação a inovadores como Leo Fender.

Estes são produtos de humanos, certo? Então, quando um baixo cai nas minhas mãos, eu quero saber o contexto. Quem fez isso? Por que fez isso? De onde veio? De onde veio a ideia para isso? Em qual estágio de desenvolvimento na mente do fabricante esse instrumento estava? Representa o produto final para ele, ou foi algo que ele fez ao longo do caminho para chegar lá? Essas são perguntas empolgantes para mim, e isso acontece não importa que tipo de objeto feito pelo homem eu eu esteja olhando… seja vinho, relógios ou o que quer que seja! Todas essas coisas são apenas pontos de entrada, trata-se de aprender mais sobre o mundo e celebrar as incríveis realizações dos seres humanos!

O livro era algo que você tinha em mente enquanto se aprofundava na pesquisa ou foi apenas um subproduto disso?

O livro foi um subproduto e eu não pretendia colecionar tantos baixos quando comecei. Eu originalmente comecei a buscar cerca de uma dúzia de baixos que representavam os modelos tocados pelos caras que me ensinaram tudo através das minhas audições – meus heróis. Então eu estava atrás de um Gibson EB-3 que representava Jack Bruce, um Violin Bass Hofner 500-1 que representava Paul McCartney, um baixo Fender Jazz de 1962 como o que John Paul Jones usou nos primeiros discos do Led Zeppelin. Esses eram os que eu pretendia reunir em uma coleção modesta apenas para poder me divertir com eles, mas quando eu começo a colecionar, eu me torno uma espécie de obsessivo. Eu consigo algumas dessas coisas e então fico curioso e tenho que resolver minhas dúvidas, como o que foi diferente no modelo do ano anterior, e depois no ano seguinte, e assim vai.

O que descobri ao longo da construção dessa coleção é que há histórias relacionadas a esses instrumentos e pequenos detalhes que talvez nem todos conheçam. E há pessoas com as quais eu tive contato por meio do colecionismo que eram fascinantes para conversar e tinham histórias ricas para compartilhar. Essas foram as razões pelas quais eu finalmente pensei que talvez devesse colocar essas coisas em algum tipo de compêndio para que as histórias sejam preservadas e a alegria de colecionar seja compartilhada com outras pessoas que pensam da mesma maneira.

Há algumas armadilhas a serem evitadas ao colecionar guitarras e baixos antigos. Especialmente agora, quando as pessoas se tornaram realmente boas em imitar os detalhes das partes antigas e replicar a maneira como os acabamentos vintage envelhecem – até mesmo estudados sob luz negra. Como você se educou como comprador? Você errou ao longo do caminho?

Claro! Eu não acho que você seja um colecionador honesto se não experimentar um par de tropeços em sua empolgação. Antigamente, quando você se tornava um colecionador, você tinha que viajar para shows de guitarras e feiras, ou se deparar com caras que estavam tentando vender seus instrumentos em anúncios de jornal e tal, e você realmente tinha que saber pelo menos um pouco do que estava falando porque você teve que vivenciar pessoalmente. Agora estamos em um mundo que é totalmente aberto para vendedores na internet, então como você sabe que um instrumento na Malásia ou em algum lugar é o verdadeiro? Uma tonelada de comunicação tem que acontecer, uma tonelada de provas fotográficas tem que ser trocada, mas no final do dia você tem que ter conhecimento suficiente – ou pelo menos acesso a conhecimento suficiente – para verificar se o que você achou é verdadeiro.

Então, sim, eu comprei alguns instrumentos que não passaram na revista depois de abri-los e colocá-los sob a luz negra, e comprei alguns que enganaram muitos especialistas ao longo do caminho.

A história de um instrumento supera a originalidade, quando se trata do seu prazer como colecionador?

Eu tenho uma Strat de 1963 que exigiu uma quantidade inacreditável de trabalho de detetive e é um exemplo de algo assim. Ela tem o headstock pintado, o que é muito raro, e os números e marcas da fábrica sob o escudo estão todos lá, mas acabou não sendo tão simples assim, e a guitarra é uma história completa por si só. Para mim isso é realmente divertido de pesquisar, e a seriedade disso tudo se resume ao preço de venda final e se você está comprando algo de alguém que está tentando te convencer de que é tudo original quando na realidade é “meio” original. Dito isso, outra coisa que evitei no livro é falar sobre o custo ou o valor dessas coisas. Eu realmente tento separar esse lado da simples celebração desses instrumentos.

O fascínio é o aprendizado, e há muito o que aprender neste campo e em outras coisas que eu coleciono. Essa obsessão por coisas que representam a engenhosidade humana é infinita e infinitamente edificante.

Eu sei que você também tem algumas guitarras incríveis, incluindo uma Les Paul Standard de 1959.

Eu tenho! Quando Joe Bonamassa estava na cidade há algumas semanas, ele veio para jantar e tivemos uma reunião dos nerds da guitarra de Toronto em minha casa e nos divertimos muito. Joe a levou para sua passagem de som no dia seguinte e deu-lhe o polegar para cima! Eu também gosto de guitarras, mas eu não as toco. Eu posso tocar guitarra e usá-la de vez em quando como uma ferramenta de composição, mas eu sou um baixista e às vezes eu sinto que ter essas guitarras incríveis é um desperdício em minhas mãos, e elas deveriam estar com guitarristas como Joe. Mas eu tenho uma paixão louca por certas guitarras. Eu sempre disse que Alex, meu parceiro no crime por todos esses anos, soa melhor com uma 335 ou uma Les Paul em suas mãos. Sua 335 branca é um instrumento matador e de grande sonoridade!

Rush no palco: Geddy Lee com seu baixo Fender e Alex Lifeson com a guitarra Gibson 335. Foto: Mark Taylor [CC BY 2.0], via Wikimedia Commons

Existe alguma coisa que você ainda esteja caçando?

Um verdadeiro Fender pre-CBS Jazz Bass ou P Bass na cor surf green. Ainda estou procurando um baixo Fender Telecaster de 68 na cor azul floral. É notável o quanto isso é difícil de encontrar. Os paisleys estão por aí e eu tenho alguns deles, e eu tenho até a guitarra Tele azul floral, mas ainda não achei o baixo. Estou à procura de um dos primeiros Rickenbacker 4001 do início dos anos 60. Eu tenho três Ric 4000s do começo dos anos 60, e eu tenho um ’64 4001, mas estou realmente procurando um dos primeiros.

As entrevistas no livro são ótimas e incluem alguns de seus heróis, como John Paul Jones. Como foi colocar essa parte no livro?

Foi muito difícil ter tão poucas entrevistas. Eu poderia facilmente conversar com 30 pessoas, mas custaria tantas páginas e tanto tempo. Eu realmente queria falar com os músicos que representam o período sobre o qual estou falando especificamente no livro, como Bill Wyman e John Paul Jones. Estes são caras que podem falar sobre a compra de baixos naquela época.

John Paul é um personagem fantástico, um maravilhoso contador de histórias e um cara generoso. Nós falamos sobre seus primeiros dias e o que ele amava a respeito dos baixos, e especialmente seu ’62. E Bill Wyman, em muitos aspectos, inventou o baixo elétrico sem trastes ao fazer isso sozinho, e ele é um personagem que toca vários instrumentos diferentes – a ponto de poder falar com a propriedade de diversos instrumentos. Eu queria falar com pessoas que se conectariam ao livro em um nível além de serem ótimos músicos. Foi realmente sobre a combinação de ser um músico profundo e ter a mentalidade de colecionador, ou ter a experiência de ter sido uma testemunha da idade de ouro e ser capaz de descrevê-la.

Jeff Tweedy é um colecionador que eu realmente aprecio, pois ele só compra coisas que ele ama ou acha estranho, e ele tem uma coleção maravilhosa. Eu me diverti muito entrevistando ele para o livro e passando algum tempo com ele e sua turma no Loft em Chicago. Ele é realmente um colecionador divertido, e eu amo caras que têm um grande coração, ele tem a mesma atitude com teclados, pedais e bateria, e o Loft é um lugar super legal para ir.

Você tem alguma opinião sobre a maneira como o baixo mudou desde que você começou?

Você só precisa olhar no Instagram e verá um milhão de jovens baixistas – mulheres e homens – que têm uma destreza espantosa. Muitos deles estão tocando instrumentos de 5 e 6 cordas. Há toda essa proliferação de baixistas indo além da 4ª corda, e há uma escola totalmente nova que vai levar isso para um lugar muito interessante. Muitos deles estilisticamente não são exatamente minha praia, mas eu realmente aprecio o jeito que eles estão tocando e o fato de que há um certo movimento de baixistas do sexo feminino, especialmente. Eu vi Jeff Beck neste verão e Rhonda Smith é uma baixista monstruosa, e eu adoro ver essa mudança na cultura para mais mulheres sendo representadas.

Você foi chamado para tocar no lugar de seu herói, o falecido Chris Squire, quando Yes foi levado ao Rock and Roll Hall of Fame. Como foi isso?

Chris Squire foi um baixista muito influente na minha vida. Ele é a razão pela qual eu comecei a tocar Rickenbackers, e foi uma combinação de Chris Squire e John Entwistle, com um pouco de Jack Casady, o que realmente me levou para o caminho sonoro que eu escolhi. Então, quando me pediram para tocar com o Yes, foi uma experiência incrível. Fiquei espantado ao ser chamado, quando vi que a programação do set incluía Rick Wakeman, Jon Anderson, Steve Howe e Alan White – o mais perto que você poderia chegar da versão mais profunda do Yes, no meu mundo – foi uma emoção muito grande. Foi também um verdadeiro desafio, porque fizemos “Roundabout”, que é uma das maiores músicas de baixo já escritas. Eu pratiquei muito a merda daquela música antes de me encontrar com os caras em Nova Iorque, e foi uma verdadeira emoção.

Também foi amargo, pois Chris Squire se foi tão cedo deixando um enorme buraco no meu mundo. Entre Chris, Jack Bruce, Greg Lake e John Wetton, todos falecidos, perdemos muitos baixistas incríveis nos últimos 10 anos. É muito triste, e tocar com o Yes foi um lembrete de que o Chris não estava lá para aproveitar esse momento ele mesmo. Eu senti como se eu apenas quisesse fazer o certo por ele, honrá-lo e realmente tocar a música corretamente. Foi uma ótima experiência conhecer os rapazes no Hall of Fame, eles foram muito gentis comigo e muito respeitosos, e apenas estar no palco e receber acenos de Steve Howe foi um momento muito legal na minha vida.

Ouvi dizer que Chris Squire estava cotado para produzir um álbum do Rush em algum momento, mas quando ele apareceu em um show em Wembley, ele sentou ao lado de Trevor Horn, que também estava sendo considerado, e as coisas ficaram estranhas entre eles. Qual é a realidade dessa história?

Não foi exatamente assim, mas ambos vieram nos ver tocar na mesma noite. Nós deveríamos entrevistar Trevor para potencialmente ser o produtor, mas acho que Chris veio ao show apenas para nos ver. O triste é que havia alguns produtores/engenheiros no prédio naquele dia, e eu nunca consegui falar com Chris, apesar dele estar tão perto. No momento em que olhamos em volta e terminamos de conversar com todos, ele não estava mais lá. Na verdade, nunca cheguei a encontrá-lo cara a cara.

Você sabe o que você está interessado em fazer a partir de agora?

Receio não ter um plano neste momento. Eu não sei para onde estou indo musicalmente. Minha atitude é de que eu fiz parte de uma incrível colaboração com dois caras pelos quais tenho tanto respeito e por tantos anos, e foi muito significativo nosso tempo juntos. O livro tem sido uma maneira muito legal de eu sair desse cenário, e agora eu sinto que estou em uma posição de realmente recomeçar e apertar o botão de reset, e ver o que eu tenho a dizer musicalmente. Eu preciso me dar tempo para experimentar e ver se o que sai me parece forte o suficiente para ser uma coisa digna de se levar adiante. Não tenho ideia de onde isso vai parar.

Quando eu estou em casa, eu meio que fico desorganizado. Mas também é assim que um álbum do Rush começaria. Eu não imagino fazer algo agora que seja drasticamente diferente, até porque eu tenho mais guitarras atualmente, eu toco mais guitarra no estúdio e tenho idéias dessa maneira. Estilisticamente falando, eu nunca senti que estava faltando alguma coisa no contexto do Rush, porque qualquer coisa podia ser feita no grupo. Quando eu toco em uma jam, eu toco todo o tipo de coisa, mas se vou ou não seguir alguma direção específica no futuro, não faço ideia. Eu nunca tive nenhuma frustração musical no Rush. Foi uma experiência totalmente gratificante para mim.

geddy-lee-tocando-seu-baixo-fender-com-a-banda-Rush
Geddy Lee e seu Fender Jazz Bass, ao vivo no Xcel Energy Center, em 2008. Foto: Weatherman90 at English Wikipedia [CC BY 3.0], via Wikimedia Commons

Uma das marcas da música do Rush é a destreza técnica. Existe alguma coisa do catálogo da banda que você se lembra de ser particularmente desafiadora?

Há coisas que foram um saco para tocar! Há músicas em Clockwork Angels que eram muito difíceis. Uma música como “The Anarchist” não parece tão complicada, mas requer uma independência rítmica quase completa entre sua voz e suas mãos para tocar a parte do baixo e cantar ao mesmo tempo. Muito do álbum Hemispheres era muito difícil de tocar ao vivo porque minhas partes vocais eram gravadas em um tom tão alto que era realmente desgastante – não a minha tonalidade ideal. Outras músicas, como “The Main Monkey Business”, foram muito difíceis, porque toda vez que tocamos essa música, ficamos no fio da navalha, porque há tantas mudanças bobas. Se você se distrair nessa música, você estará em apuros. “One Little Victory” também foi uma música muito difícil de interpretar. Não tanto como um baixista, mas como uma banda. Acertar o groove da música e tocar as partes indulgentes ao mesmo tempo é difícil. Eu gosto disso ao tocar ao vivo, e eu gosto de estar nesse fio da navalha – as coisas que provocam um olhar de pânico entre nós quando estamos saindo das passagens mais difíceis. Músicas como “Working Man” são divertidas de se tocar, e há todo tipo de improviso acontecendo, mas é uma música bastante direta. As músicas altamente estruturadas, como “Mission”, realmente nos deixam de cabelo em pé.

O material instrumental é sempre tão orientado pela precisão que realmente se tornou bem ensaiado, e o Rush era uma banda de ensaio fanática. Muitas pessoas considerariam o cronograma de ensaio do Rush exagerado, mas decidimos assim porque queríamos relaxar em nossas partes e, para fazer isso, é preciso conhecer as passagens de trás para frente.

Você tem um som de baixo favorito na discografia do Rush? E isso mudou agora que você experimentou tantos instrumentos de alta classe?

Isso é muito difícil. Eu acho que o som do baixo em “Tom Sawyer” é o ideal, e “Red Barchetta” também. Há tantas gravações para percorrer, e eu estava sempre fodendo com o meu som de uma forma ou de outra. Toda vez que eu chegava em um certo patamar, eu mudava algo… o que pode ser bom ou ruim. Esse é um dos perigos de ser um músico progressivo: você encontra algo que talvez devesse manter por mais tempo, mas já está ocupado procurando a próxima coisa, uma melhoria. Então, sempre, como banda, nós três estávamos procurando melhorar o último trabalho gravado.

Entre as muitas coisas que aprendi nesse processo de colecionismo está uma apreciação por instrumentos e sons que não se encaixam necessariamente em minha paisagem sonora típica. Eu evitei esses instrumentos por mais de 40 anos, e na última turnê eu trouxe alguns deles com a gente. Gibson Thunderbirds, por exemplo. Eu nunca quis ter nada a ver com um Gibson Thunderbird porque eu sempre senti que eles eram contrários ao meu som no Rush, mas eu encontrei momentos em que poderia tocar esses instrumentos no contexto do Rush e realmente fazê-los funcionar. Isso foi muito esclarecedor para mim, e espero tocar com mais desses instrumentos em particular.

Como você gostaria que a música do Rush fosse vista e lembrada pelas futuras gerações?

Obviamente, o Rush foi, em muitos aspectos, um experimento em andamento, então houve momentos em que o experimento alcançou uma espécie de sincronicidade e existem alguns álbuns que acabam sendo pontos-chave. Moving Pictures, Permanent Waves e até Clockwork Angels, em grande medida, são esse tipo de álbuns. Alguém disse uma vez que todo artista merece ser julgado pelo seu melhor trabalho, e eu meio que concordo com ele e gostaria de pedir que fôssemos lembrados pelo nosso melhor trabalho e realmente pelo nosso espírito, e que tínhamos a vontade de experimentar publicamente. Quando você experimenta em público, você tem que estar disposto a falhar em público e eu acho que é uma coisa importante para os jovens músicos apreciarem e entenderem, e eu acho que isso aconteceu lado-a-lado com os sucessos de nossa carreira.


Geddy Lee conversa com Tom Power, apresentador do show de artes e cultura da Canadian Broadcasting Corporation, sobre suas experiências de pesquisa e execução de alguns dos instrumentos presentes em seu Big Beautiful Book of Bass.

Artigo originalmente publicado em Premier Guitar, traduzido e publicado por Musicosmos sob licença de Premier Guitar. Todos os direitos reservados. All rights reserved. Visit www.premierguitar.com

DEIXE UM COMENTÁRIO

Por favor escreva seu comentário!
Por favor insira seu nome aqui