Arturia Keylab MK2 versus Keylab Essential: vale a diferença de preço?

De Loopop O KeyLab Essential e o novo KeyLab MK2, da Arturia, parecem semelhantes. Mas a versão premium MK2 custa cerca de duas vezes e meia mais do que o Keylab Essential. Vamos analisar as diferenças reais entre eles, os prós e os contras de cada um e analisar o valor de mercado.

Vamos começar explicando o que eles são – ambos são projetados para oferecer várias funções – algumas das quais eu acho que podem passar batidas.

A primeira função é ser um teclado controlador MIDI para instrumentos virtuais baseados em software, com ênfase na integração com os instrumentos virtuais da Arturia e em particular com o Analog Lab, que vem incluído em ambos os teclados e tem mais de 6.500 presets de diferentes tipos de instrumentos, incluindo sintetizadores, pianos e órgãos.

A segunda função é ser um controlador Digital Audio Workstation – com suporte para alguns DAWs, incluindo o Ableton Live, que é o mais raro de ser suportado devido a seu layout baseado em grade.

A terceira função, e eu acho que não é muito comentada, é que eles são realmente controladores MIDI de hardware personalizáveis, com modelos que podem ser trocados e que você pode tocar sem conectar a um computador.

E quarto, isso é relevante apenas para a série MK2 mais sofisticada, é um hardware / software que faz o papel de uma ponte MIDI entre equipamentos modulares e seu computador.

Hardware e controles

Em ralação às diferenças de hardware, visualmente o que você notará primeiro é que o MK2 tem 16 pads em vez de 8, mais funções de controle de acordes e DAW, além de uma fileira adicional de controles sob os knobs e faders que são muito úteis para controlar seu DAW e o Analog Lab.

A construção em si é muito diferente entre os dois – Keylab Essential é de plástico e o MK2 é de alumínio com madeira ao lado. A madeira é menos importante na minha opinião, mas você percebe a diferença na robustez geral e na sensação de contrução premium do MK2, mas se eu tivesse que escolher qual levar para a estrada eu escolheria o KeyLab Essential porque é muito mais leve.

As próprias teclas são diferentes – as do MK2 são retiradas do sintetizador MatrixBrute da Arturia e têm aftertouch, que funciona muito bem. A sensibilidade de velocidade funciona bem em ambos e os dois tem boa tocabilidade. Ao fazer uma comparação direta, as teclas do MK2 definitivamente passam uma sensação melhor, mas não é algo que você percebe depois de se acostumar com o KeyLab Essential.

Os botões e controles deslizantes parecem muito semelhantes, embora haja maior curso no MK2, o que proporciona um controle mais preciso. Os pads em ambos são sensíveis à velocidade e pressão – as do Essential realmente se destacam um pouco mais e parecem melhores na minha opinião.

O resto dos botões são do tipo “click” e parecem mais profissionais no MK2 em comparação com os emborrachados presentes no Essential, mas eu não tive um problema com nenhum deles.

Ambos os controladores têm três modos principais de controle – controle do Analog Lab, do seu DAW e presets gerais do usuário.

Presets de Usuário

Vamos dar uma olhada em como os dois KeyLabs funcionam como um controlador MIDI. Uma das coisas mais frustrantes sobre instrumentos virtuais é ter que clicar em telas cheias de botões com um mouse, e é aí que entram os controles MIDI com vários botões e controles deslizantes programáveis.

Você carrega seu software sintetizador favorito, clica em “MIDI learn” e mapeia os knobs e sliders para funções de sintetizador.

Ambos os KeyLabs possuem presets programáveis e armazenáveis pelo usuário – 6 no Essential e 10 no MK2 – e como ambos os controladores têm saídas USB e MIDI, é muito fácil controlar alguns sintetizadores de hardware e software a partir de um local central. Um ótimo recurso é a capacidade de atribuir a cada controle físico um nome por modelo, por isso, se você esquecer o que um botão faz, verá a função dele aparecer na tela durante o uso. Você também pode fazer com que cada encoder, fader ou pad controle um parâmetro diferente em um canal MIDI diferente.

Nenhum dos dispositivos tem uma função de aprendizado MIDI, mas o Keylab MK2 permite programar a função de cada encoder, fader ou entrada usando o próprio dispositivo, em vez de exigir um computador e o MIDI Control Center da Arturia. No MK2, você pode até mesmo nomear a função de cada encoder, slider e botão no próprio teclado – o que significa que ele realmente pode ser um controlador independente, sem computador.

O KeyLab MK2 possui três bancos em cada um dos 27 controles no lado direito do dispositivo, oferecendo um total de 81 itens para controlar por preset de usuário.

Alimentação

Ambos os teclados podem ser alimentados por USB e eles tem entradas de 9v, caso sua porta USB não tenha força suficiente ou você queira trabalhar diretamente com sintetizadores de hardware sem um computador. Nenhuma das unidades vem com uma fonte de alimentação.

Acordes

Ficando ainda no tópico sobre o que o hardware pode fazer sozinho, sem um computador, ambos os teclados têm funções de oitava, canal MIDI e transposição.

A programação de acordes no KeyLab Essential é básica – você pode programar facilmente um intervalo de uma ou mais notas segurando o botão de acordes e depois transpondo o acorde com o teclado. Esse recurso é extremamente útil para grandes acordes que você não alcança naturalmente.

O MK2 permite que você faça tudo isso e muito mais – você pode programar 2 bancos de 16 acordes para cada um dos modos Analog Lab, Daw e User – o modo Chords Memory toca um dos 16 acordes programados imediatamente ao pressionar o pad e permite que você toque o que quiser com a mão direita, e o banco Chord Transpose não toca o acorde imediatamente, mas define o acorde ativo, que você pode transpor com o teclado.

Em ambos os controladores, os pads são sensíveis a velocidade e pressão, e podem ser usados ​​para tocar bateria, samples ou qualquer outra coisa que você queira.

Analog Lab

Juntamente com os dois KeyLabs, há uma cópia do Ableton Live Lite e do UVI Piano (KeyLab Essential) ou do Arturia Piano V2 (MK2), e o destaque é uma versão completa do Analog Lab 3.

E o que é o Analog Lab? – você pergunta. Bem, além de fazer controles e sintetizadores, a Arturia começou a fazer softwares simuladores de sintetizadores clássicos vintage e instrumentos eletrônicos. Ao longo dos anos, sua coleção V – ou Coleção Virtual – agora tem recriações de mais de 20 sintetizadores clássicos diferentes. A coisa interessante sobre o que eles fazem, além de recriar o som e a aparência do sintetizador, é que eles adicionam muitos recursos modernos opcionais a cada recriação virtual – na forma de painéis ou efeitos adicionais – algo como o que o fabricante original estaria fazendo hoje se eles criassem uma nova versão de seu equipamento com a tecnologia atual.

O Analog Lab é uma coleção de mais de 6.000 presets de todos esses instrumentos, juntamente com controles para seus parâmetros mais importantes em uma interface unificada e simplificada. Se você possui o sintetizador virtual, você pode abrir o acesso a todos os seus parâmetros. Fiz um vídeo inteiro comparando o Analog Lab com a V Collection com uma tonelada de exemplos sonoros, então dê uma checada para mais informações.

A integração entre os controladores e o software é bastante calibrada. Você pode ver os nomes predefinidos na tela e navegar na interface com bastante facilidade. Mais importante ainda, todos os parâmetros importantes para cada sintetizador são mapeados e acessíveis usando os encoders e faders, e os nomes dos parâmetros também são visíveis na tela. De um modo geral, os rótulos azuis nos teclados são destinados a corresponder aos rótulos na tela, em muitos casos eles podem ser bastante diferentes por instrumento – personalizados para as características de cada sintetizador virtual.

O Analog Lab permite que você reproduza dois teclado “spiltados, ou dois sintetizadores um sobre o outro, e alterne entre os controles de cada um usando os botões Part. Há também um terceiro modo “Live”, onde os controles se tornam macros para vários parâmetros.

Ambos os teclados são muito semelhantes ao controlar o Lab Analog, e o Keylab MK2 adiciona acesso direto a categorias de instrumentos, como pianos, pianos elétricos, pads e muito mais, usando a linha adicional de botões abaixo dos faders.

DAW control

Quando você coloca qualquer um dos controladores no modo DAW, ele se torna um controle remoto para o DAW. Os encoders controlam o track pan e os faders controlam o nível.

Ambos os teclados têm controles de transporte, metrônomo e botões de desfazer, e o MK2 adiciona botões de entrada e saída separados ao invés de um botão para ambos, bem como botões adicionais de silenciamento e botões Arm, e mais dois botões com funções diferentes por DAW. No Ableton Live, esses dois botões extras são usados para controlar a automação.

Controlar o Ableton Live é sempre um desafio para esses tipos de teclados por causa da sessão adicional ou visualização em grade. Ambos os teclados lidam com isso muito bem, permitindo que você role para cima e para baixo nas cenas usando o encoder central, e se mova para a direita e esquerda pela grade usando os botões Next Previous.

Os pads são uma janela para a grade de sessões do Live. No Essential, os 8 pads representam uma linha horizontal de 8 × 1 na grade, e no MK2 eles são organizados não como uma grade de 4 × 4, mas como duas linhas de 8 células cada.

Conectividade

A conectividade é uma das coisas que realmente diferenciam as duas. O KeyLab Essential possui apenas uma porta MIDI Out, uma porta USB e uma entrada de pedal de sustentação. Como mencionei antes, a alimentação de 9V é opcional, pois a unidade pode ser alimentada por USB. O KeyLab MK2, por outro lado, tem substancialmente mais opções de conectividade – ele possui um MIDI In, além do MIDI Out, quatro entradas de pedal de expressão adicionais, quatro saídas CV – pitch, gate e duas saídas mod, e uma entrada CV. O MK2 também vem com um isolador de loop de aterramento, caso a conexão com um equipamento externo cause ruído de loop de aterramento.

Resumo e alternativas

Mais caro nem sempre significa melhor – se o peso e a portabilidade são importantes para você, o KeyLab Essential é o caminho certo. Dito isso, o KeyLab MK2 é definitivamente um produto de melhor qualidade com um melhor teclado, mais controles DAW, mais controles Analog Lab, melhor construção, mais saídas e entradas, mais pads, bancos de acordes extras e controles e predefinições de usuário cada vez melhores.

Ao olhar para os competidores do mercado, duas opções notáveis são os teclados Komplete Kontrol da Native Instrument e o novo Novation SL MkIII. Ambas as alternativas custam substancialmente mais do que o KeyLab. A vantagem do Komplete Kontrol é a sua porta para o conteúdo e softwares da NI, e o SL MkIII tem um sequenciador embutido e uma integração mais forte com o Ableton Live, embora não venha com o rico conteúdo de sintetizador que é o Analog Lab 3.


Traduzido com a permissão de Loopop. Confira seu livro “Electronic Music Ideas, Tips and Tricks” em http://www.patreon.com/loopop. Todos os direitos reservados. Canal do YouTube aqui.

Translated with permission from Loopop. Check out his book of Electronic Music Ideas, Tips and Tricks at http://www.patreon.com/loopop.