A guitarra Yamaha Pacifica não é exatamente a mais desejada e nem mesmo a mais icônica do universo da guitarra, mas não se pode deixar de considerar que ela é resultado de mais de um século de experiência na construção de instrumentos musicais de qualidade.

Vamos passear pela história da Yamaha, do início até os dias de hoje, com destaque para a guitarra Pacifica – simplesmente porque é um dos melhores instrumentos que você realmente pode comprar, sem pagar uma fortuna.

Talvez a sua próxima guitarra seja uma Yamaha, saiba o porquê neste artigo.

História da Yamaha

A história da Yamaha na construção de instrumentos musicais vem do século XIX, quando foi fundada por Torakusu Yamaha com o nome de Nippon Gakki Co. e dedicava-se à construção de pianos e órgãos. Isso foi em 1887 – muitos anos antes de o Oriente virar a “fábrica do mundo”. Isso aconteceu no Japão, em Hamamatsu, onde até hoje a Yamaha mantém algumas de suas unidades. O primeiro instrumento foi um órgão de bambu.

Após alguns anos de atividade os produtos da Yamaha já receberiam reconhecimento mundial pela qualidade, com destaque para os pianos.

Com o passar do tempo, a Yamaha tornou-se uma empresa gigante, que fabrica guitarras e motocicletas com a mesma competência.

Caso você esteja se perguntando: sim, a marca que faz motocicletas e instrumentos musicais é a mesma, não são apenas empresas homônimas (e na verdade eles fabricam muitas outras coisas, de purificadores de água até arco e flecha, do tipo utilizado nos Jogos Olímpicos). Naturalmente as divisões são independentes, mas isso não nos tira o espanto sobre a versatilidade da Yamaha.

Como mera curiosidade, é interessante contar que a produção de motocicletas é resultado dos esforços de guerra do Japão. A Yamaha, como diversas empresas ao redor do mundo, engajou-se na produção de equipamentos militares durante a Segunda Guerra Mundial. Ao fim da guerra, o maquinário foi direcionado para a produção de motocicletas.

Mas voltemos às guitarras.

Cronologia resumida da produção de guitarras elétricas pela Yamaha

Especializada em instrumentos de teclas, a Yamaha só entrou no ramo de guitarras elétricas nos Anos 60. Antes de vermos os modelos da série Pacifica, seguiremos por uma cronologia resumida da evolução das guitarras feitas pela Yamaha.

1966

As primeiras guitarras elétricas da Yamaha foram lançadas – SG2 e SG3. Pode-se dizer que a Yamaha entrou tarde na briga pelo mercado de guitarras elétricas, somente na segunda metade dos anos 1960. E já iniciou buscando um design próprio, como se vê nas imagens.

guitarra-yamaha-sg2-sg3
As primeiras guitarras lançadas pela Yamaha, em 1966

1968

A Yamaha lançou suas primeiras guitarras Hollow Body, um avanço de design e construção.

1974

A SG-175 veio à luz e se tornou o modelo de maior sucesso entre as guitarras Yamaha, tendo versões derivadas dela até hoje. Ficou famosa nas mãos de Santana, nos Anos 70.

yamaha-sg-175-santana

1976

As guitarras SG-1000 e SG-2000, desenhadas em parceria com Carlos Santana, se tornaram um grande sucesso. Estas guitarras foram uma evolução do bem-sucedido design da SG-175.

yamaha-sg-2000
Uma linda SG2000

1977

Foi lançada a SA-2000, um novo modelo semi-hollow body.

1982

A família SG ganha a SG3000, o design SG da Yamaha continua agradando.

1985

A SESSION512 foi a primeira super strat da Yamaha com ponte flutuante própria da marca.

1986

A RGX já nasceu pronta para o hard rock! Esta série foi um dos maiores sucessos da Yamaha.

1987

A YED-100A foi lançada para comemorar os 100 anos da Yamaha.

1990

Vem ao mundo a Yamaha Pacifica 912, inaugurando a linha de guitarras que dura até hoje e que é nosso objeto de estudo hoje. Foi um dos primeiros modelos de braço aparafusado que a Yamaha fez e a única série nitidamente inspirada na Fender – embora cheia de detalhes exclusivos.

guitarra-yamaha-pacifica-912

1997

A Yamaha lança o modelo de Mike Stern, a PACIFICA1511MS.

2000

SGV800. Estranha, mas de muito sucesso.

guitarra-yamaha-sgv
Linha Yamaha SGV

2005

A RGXA2 oferece um design inovador e peso muito leve.

guitarra-rgx-a2
RGX A2

2010

Este ano foi lançada uma nova encarnação das icônicas guitarras SG da Yamaha.

2015

A série Revstar renova a linha de guitarras elétricas da Yamaha.

yamaha-revstar

Design das guitarras Yamaha

Em termos de design, é perceptível que a Yamaha sempre buscou o desenvolvimento de produtos com uma personalidade própria. Não que a empresa tenha tentado reinventar a roda, mas o mundo das guitarras é coalhado de cópias desinteressantes de Gibson e Fender, e a Yamaha soube procurar um lugar próprio para seus produtos.

yamaha-sg700

Sua famosa série SG, por exemplo, é nitidamente inspirada nos modelos Gibson, mas não se parece nem soa como a típica SG americana. Seu corpo é uma linda mistura de SG com Les Paul, seus captadores soam muito mais fortes e ásperos, e até o design do headstock tem personalidade (quantas marcas abrem mão de “copiar” o estilo de letras da Fender ou Gibson?).

yamaha-sg-700

Esta unidade da foto acima, a propósito, é da nossa própria coleção – e não está à venda, se você estiver se perguntando. Soa muitíssimo bem e tem tocabilidade incrível.

Com a série Pacifica, por outro lado, a Yamaha resolveu ceder ao mercado: projetou uma guitarra muito semelhante à Fender Stratocaster.

À primeira vista, a Pacifica pode ser confundida com um clone de Strato. Uma segunda olhada mais atenta, entretanto, revela um design um pouco diferente. Observe as fotos para comparar.

comparacao-pacifica-e-fender-stratocaster
Fender Stratocaster à esquerda, Yamaha Pacifica à direita

Há diferenças no contorno do corpo, no escudo, nos controles… é claro, ainda se trata de uma variação de stratocaster – mas com alguma personalidade própria.

O tradicional jack canoa, por exemplo, foi suprido. Na Pacifica o plug entra na lateral, como em uma Telecaster.

Mas uma das maiores diferenças entre a Stratocaster e a Pacifica está nos captadores. Enquanto a Stratocaster é equipada com três captadores single-coil, a Pacifica trabalha com duas bobinas simples e um captador humbucking (que pode ser configurado para funcionar como uma única bobina). É claro, sabemos que há diversos modelos Fender que também vem com um humbucker na posição da ponte, mas a Strat típica tem os três singles e é com ela que estamos comparando.

Yamaha Pacifica ou Squier Stratocaster (ou Tagima, ou Strinberg)

Bem, em se tratando de clone de Stratocaster, por que não escolher uma Squier? Ou mesmo um modelo de marcas ainda mais acessíveis, como Tagima ou Giannini?

De fato, em se tratando de Strato a preços camaradas, a Squier é o mais perto que você pode chegar de uma Fender legítima sem ter que pagar o preço. A Squier é marca subsidiária da Fender e tem autorização para produzir clones perfeitos, ou quase perfeitos, de qualquer modelo Fender. E faz isso muito bem, a propósito.

Como nem tudo são flores, os melhores modelos de guitarras Squier não são tão baratos assim.

Outras marcas também tem suas boas opções nesta onda stratocaster, portanto cabe a você procurar qual delas cabe no seu bolso e nas suas preferências.

É difícil dizer qual guitarra – a Squier Stratocaster ou a Yamaha Pacifica – seria a melhor compra como guitarra de entrada. Elas não soam idênticas, não parecem idênticas – embora as duas prestem tributo para a Fender Strato. É uma questão de gosto, sem dúvida.

Neste artigo recomendamos a Pacifica – não por ser a melhor, mas por ser uma ótima opção. Nós sempre desconfiamos quando alguém aponta um produto como sendo “o melhor”. Considere comprar a guitarra Yamaha Pacifica sem receio, mas você ainda tem uma infinidade de modelos para testar por aí.

Em resumo: se você procura por um clone perfeito da Fender Stratocaster, então a Squier deve ser sua primeira opção. Mas se você quer abrir mão de algumas característica para ganhar outras qualidades, a Pacifica entra no páreo.

Review da Guitarra Yamaha Pacifica

Desde que foi lançada nos anos 90, a série Yamaha Pacifica tornou-se uma das séries de guitarras elétricas mais vendidas da empresa, já tendo ultrapassado a casa de um milhão de guitarras vendidas. Elas soam bem, o preço é ótimo e elas também aparentam ser muito boas.

Não importa seu estágio de desenvolvimento como guitarrista, é provável que haja lugar para uma Pacifica na sua coleção – se você deseja comprar uma guitarra strato, há bons motivos para considerar uma Yamaha.

Embora as guitarras sejam construídas na Ásia, um fato que muitas vezes é considerado negativo, o nível de qualidade na produção é alto. Provavelmente esta é a principal razão para que seja uma guitarra tão popular – elas são consistentemente boas, não importa qual você escolher.

Tocabilidade da guitarra Yamaha Pacifica

A Pacifica é versátil como qualquer boa Stratocaster, mas com alguns detalhes bacanas. O humbucker da ponte pode facilmente ser “splitado” para funcionar como um captador simples, você faz isso empurrando ou puxando um dos botões. Assim, há a opção de um som estalado e mais brilhante, estilo Fender, ou um som gordo típico de rock – mais para Gibson. Ambos são ótimos timbres e todos os captadores soam equilibrados e capazes de fazer o que se espera deles.

Com seu raio de escala mais plano (13 ¾”) do que se encontraria em uma Fender Stratocaster, a Pacifica convida a um estilo de solo mais moderno do que vintage. O braço é confortável e perfeitamente estável.

Naturalmente, a sonoridade e tocabilidade de cada modelo dentro da série Pacifica varia. Mas no geral você pode ter certeza de que é uma guitarra elétrica bem construída, moderna e com um apelo tradicional ao mesmo tempo.

Yamaha Pacifica012

A Pacifica 012 é a porta de entrada da linha. É a mais barata e simples, feita para custar pouco. Tipicamente, seu corpo é feito em Agathis e a escala Sonokeling – o restante da linha Pacifica usa Alder e Rosewood, respectivamente, além de maple. Apesar de usar componentes de menor custo a PAC012 recebe a mesma construção sólida de toda a linha, que faz dela uma boa escolha.

A 012 uma opção para orçamentos apertados, confira na nossa loja se temos alguns modelos em estoque.

Embora a PAC012 seja o modelo mais barato, ela se beneficia de um design praticamente igual a alguns dos modelos mais caros. Ou seja, ninguém na plateia vai saber o preço de sua guitarra só de olhar.

Seus captadores são de ímãs cerâmicos e ela tem um controle de volume e outro de timbre. Ímãs cerâmicos são normalmente encontrados em guitarras de baixo custo, pois são mais baratos do que o Alnico encontrado nos modelos mais caros, embora isso não chegue a ser um demérito – há guitarras top de linha com ímãs cerâmicos, e isso acontece porque este tipo de captador, em geral, tem sonoridade mais áspera, com maior saída, e isso agrada a quem busca um som mais roqueiro. Deste modo, a PAC012 tem um timbre ligeiramente mais para ardido do que para redondo.

Esta é uma das melhores guitarras em sua faixa de preço. Durante a última década, tem sido a escolha preferida de músicos que estão começando a tocar ou de músicos experientes com orçamento apertado.

A guitarra Yamaha Pacifica 012 não apenas soa bem, mas aparenta ser ótima também. Este instrumento durável é vendido a um bom preço, tornando-o acessível ao público em geral. A variedade de sons é simplesmente avassaladora. Nós recomendamos sem medo esta guitarra para quem está querendo começar a tocar guitarra.

Yamaha Pacifica 112

Praticamente igual à 012, porém com materiais mais nobres, como o corpo de alder e a escala em rosewood. Esta é, provavelmente, a Pacifica mais popular mundo afora. No Brasil, entretanto, seu preço pode ser um pouco salgado.

Dentro da linha PAC112 há variações, algumas com os mesmos captadores cerâmicos da 012 e outras com captadores de alnico, assim como algumas outras diferenças de acabamento. Antes de comprar, verifique as especificações para ter certeza do que está adquirindo – mas saiba que a PAC112 está sempre um passo adiante da PAC012.

Yamaha Pacifica 212

Como todos os modelos da série Pacifica, a diferença está em alguns poucos detalhes. A PAC212 usa os mesmos captadores de Alnico que equipa os modelos superiores da série 112, mas esta guitarra conta com um detalhe funcional e estético: um belo tampo de maple que, embora não seja muito espesso, contribui para uma sonoridade mais refinada e um visual muito superior às versões mais baratas.

Em relação ao timbre, é difícil dimensionar qual o papel do maple adicionado ao corpo, mas não devemos subestimar o valor de um visual tão legal. Confira:

guitarra-yamaha-pacifica-212

Yamaha Pacifica 311H

A PAC311H é um salto de qualidade e de preço em comparação com os modelos mais simples. E não apenas isso, ela também oferece características diferentes, perceptíveis mesmo em uma olhada superficial:

guitarra-yamaha-pac311h

Baseada em diversos protótipos construídos pela Custom Shop, o preço desta guitarra pode até ser considerado baixo, se comparado com o preço de outras guitarras de outras marcas com a mesma qualidade de construção e de componentes.

O P-90 na posição do braço é a característica que salta aos olhos e que faz enorme diferença. Há quem ame este tipo de captador, há quem não goste (embora seja difícil achar quem o odeie). Não é para todo mundo, mas ainda é muito versátil.

Esta guitarra vem com pestana Graph Tech TUSQ, tarraxas Grover com trava e a construção sólida que se espera de uma guitarra Yamaha Pacifica.

Yamaha Pacifica 510V

Um único captador na posição da ponte e mais nada. Se você acha pouco, saiba que o captador em questão é um Seymour Duncan P-Rails, e oferece sons de humbucker, single e P-90, todos ótimos. Por isso essa guitarra de apenas um captador tem um seletor de 3 posições.

A PAC510V também vem com o nut Graph Tech TUSQ e as tarraxas Grover com trava.

Poucas guitarras tão simples tem tantos sons.

Yamaha Pacifica 611HFM

Atual topo de linha da série Pacifica (excetuando os modelos signature). Inspirada nas guitarras custom-shop e na linha original, a PAC611 é hoje destacada pela própria Yamaha como o símbolo da linha Pacifica.

Este modelo se afasta definitivamente do conceito guitarra-para-iniciantes. É uma guitarra séria com especificações que condizem com o preço cobrado.

Os captadores são ambos Seymour Duncan, um SP90-1 (reprodução dos P90 originais) e um Custom 5 (de saída mais alta do que o famoso ’59).

Tampo de maple, acabamento translúcido e saddles Graph Tech String Saver completam o pacote.

Conclusão

Como dissemos lá no início, as guitarras da Yamaha não são as mais desejadas do mundo. Qualquer guitarrista pode pensar em uma dúzia de marcas mais famosas e icônicas do que a Yamaha. A série Pacifica, no entanto, oferece exatamente aquilo que um guitarrista precisa, sem exageros e sem nada que não seja funcional.

Além disso, a série possui modelos para todos os bolsos e objetivos.

Se você procura uma guitarra, e não um troféu, considere incluir uma guitarra Pacifica na sua busca.

DEIXE UM COMENTÁRIO

Por favor escreva seu comentário!
Por favor insira seu nome aqui