Led Zeppelin no palco
Robert Plant, vocalista do Led Zeppelin, apresenta-se em Hamburgo, Alemanha, em 1973. Heinrich Klaffs, CC BY-NC-SA

Por Aram Sinnreich, American University School of Communication

Cinqüenta anos atrás – em setembro de 1968 – a lendária banda de rock Led Zeppelin apresentou-se pela primeira vez, dando início a uma turnê escandinava anunciada como New Yardbirds.

O novo e melhor nome viria mais tarde naquele outono, enquanto a morte do baterista John Bonham, em 1980, efetivamente encerraria o reinado determinante daquela década. Até hoje, porém, a banda mantém o mesmo status icônico dos anos 70: é conhecida como uma das bandas musicais mais vendidas de todos os tempos e continua a moldar os sons de grupos novos e emergentes, jovens o bastante para serem as bandas dos netos dos integrantes originais.

No entanto, mesmo depois de todo esse tempo – durante o qual cada nota, riff e grunhido do catálogo de nove álbuns do Zeppelin foi estudado por fãs, artistas e musicólogos – um paradoxo sombrio ainda se esconde no centro de sua mística. Como pode uma banda tão derivativa – e talvez plagiadora – ser simultaneamente considerada tão inovadora e influente?

Como, em outras palavras, eles conseguiram se lambuzar nesta torta de creme (custard pie)?

Como um estudioso que pesquisa as complexidades sutis de estilo e originalidade musical, bem como os mecanismos legais que as regulam e limitam, como a Lei de Direitos Autorais, eu acho isso um enigma particularmente diabólico. O fato de que eu também sou um baixista em uma banda que funde vários estilos de música torna isso pessoal.

O hábito de “pegar emprestado”

Para qualquer um que busca o santo graal do sucesso criativo, o Led Zeppelin alcançou uma estatura algo mítica: um lugar no firmamento musical, em seus próprios termos, fora das regras e sem concessões.

Quando o Led Zeppelin estreou com seu primeiro álbum homônimo, em 1969, não há dúvida de que soou novo e excitante. Meu pai, um baby boomer e fã dedicado dos Beatles, lembra-se de sua decepção naquele ano, quando seus alunos de matemática do ensino médio trocaram o Fab Four pelo Zeppelin, aparentemente da noite para o dia. Mesmo o corpulento New York Times, que condenou a “superficialidade sexual plástica” da banda, sentiu-se compelido, no mesmo artigo, a reconhecer sua “enormemente bem-sucedida… mistura eletronicamente intensa” de estilos musicais.

No entanto, desde o início, a banda também foi perseguida com acusações de furto musical, plágio e violação de direitos autorais – muitas vezes justificadamente.

O primeiro álbum da banda, “Led Zeppelin“, continha várias músicas que extraíam composições, arranjos e gravações anteriores, às vezes com atribuição de autoria e muitas vezes sem. Incluiu duas canções de Willie Dixon, e a banda creditou ambas ao influente compositor de blues de Chicago. Mas não deu crédito a Anne Bredon quando fez o cover de sua música “Baby, I’m Gonna Leave You“.

O hit “Dazed and Confused“, também do primeiro álbum, foi originalmente atribuído ao guitarrista do Zeppelin, Jimmy Page. No entanto, em 2010, o compositor Jake Holmes entrou com uma ação alegando que ele a havia escrito e gravado em 1967. Depois que o processo foi resolvido fora dos tribunais, a música agora é creditada nas notas de relançamento como “inspirada por” Holmes.

O segundo álbum da banda, “Led Zeppelin II“, continuou de onde parou o primeiro. Após uma série de ações judiciais, a banda concordou em listar Dixon como um autor não creditado em duas das faixas, incluindo seu primeiro single, “Whole Lotta Love“. Um processo adicional estabeleceu que a lenda do blues Chester “Howlin ‘Wolf” Burnett foi um autor não creditado anteriormente em outra faixa chamada “The Lemon Song“.

Violação de direitos autorais em música é notoriamente difícil de estabelecer em um tribunal, daí os acordos. Mas não há dúvida de que a banda se dedica ao que os musicólogos normalmente chamam de “empréstimo“. Qualquer fã de blues, por exemplo, teria reconhecido a letra de “You Need Love” de Dixon – gravada por Muddy Waters –  logo na primeira audição de “Whole Lotta Love”.

Uso do bem comum ou apropriação?

Deve a banda ser condenada por pegar as músicas de outras pessoas e fundi-las em seu próprio estilo?

Ou isso deveria ser realmente um ponto de celebração?

A resposta é uma questão de perspectiva. Em defesa do Zeppelin, a banda não está sozinha nesta prática. O movimento de revival da música Folk dos anos 1960, central para as carreiras de Baez, Holmes, Bredon, Dixon e Burnett, estava enraizado em uma ética que tipicamente tratava o material musical como um “bem comum” – uma fonte de cultura compartilhada da qual todos podem desenhar e para o qual todos podem contribuir.

A maioria dos artistas da época rotineiramente tocava músicas tradicionais e blues “sem autor”, e o astro do movimento, Bob Dylan, usava o pastiche lírico e musical como um símbolo de orgulho e demonstração de erudição – “Veja quantas músicas antigas eu posso incluir em uma nova música!” – e não como uma muleta secreta e criminosa para sustentar suas próprias composições.

Por que o Zeppelin não poderia fazer o mesmo?

O selo de Willie Dixon pode ser encontrado em várias músicas do Led Zeppelin.
O selo de Willie Dixon pode ser encontrado em várias músicas do Led Zeppelin. Brianmcmillen, CC BY-SA

Por outro lado, é difícil ignorar a dinâmica racial inerente ao “empréstimo” praticado pelo Led Zeppelin. Willie Dixon e Howlin’ Wolf eram afro-americanos, membros de uma minoria subjugada que era – especialmente naquela época – excluída de colher seu quinhão dos enormes lucros gerados por gravadoras, editoras e outros artistas.

Como seus conterrâneos ingleses Eric Clapton e The Rolling Stones, a atitude do Zeppelin em relação à cultura negra parece misteriosamente reminiscente da abordagem de Lord Elgin a respeito das estátuas de mármore do Partenon e da política da Rainha Vitória sobre o diamante Koh-i-Noor: Pegue o que puder e não peça permissão; se for pego, peça desculpas sem devolver nada.

Led Zeppelin também foi acusado de roubar artistas brancos como Bredon e a banda Spirit, a parte acusadora em um processo recente sobre os direitos da música “Stairway to Heaven”, do Zeppelin. Mesmo nesses casos, a dinâmica do poder era incerta.

Bredon e a Spirit são compositores menos conhecidos, desconhecidos e de bolsos vazios. Não se beneficiaram do brilho da glória do Zeppelin, que só cresceu ao longo das décadas, apesar das acusações e ações judiciais contra eles.

Uma questão de motivos

Então como a banda venceu, quando muitos de seus contemporâneos foram esquecidos ou diminuídos? Como encontrou e guardou o Santo Graal? O que torna o Led Zeppelin tão especial?

Eu poderia especular sobre seu status cultural como um avatar da autoindulgência transatlântica, pós-hippie e da rebelde “geração eu“. Eu poderia ser poético sobre sua fusão musical de harmonias pré-barrocas e não-ocidentais com ritmos de blues e timbres celtas. Eu poderia até acusá-lo, como muitos ao longo dos anos, de fazer um acordo com o diabo.

Em vez disso, vou relatar uma anedota pessoal de quase 20 anos atrás. Eu realmente conheci o vocalista Robert Plant. Eu estava esperando na fila em um bar de Manhattan por volta das 2 da manhã e de repente percebi que Plant estava esperando na minha frente. Uma música clássica de Chuck Berry tocava nos alto-falantes altos. Plant se virou para olhar para mim e refletiu: “Eu me pergunto o que ele está fazendo agora”. Conversamos sobre Berry por alguns momentos, depois pagamos e seguimos nossos próprios caminhos.

Por mais breve e banal que tenha sido, acho que esse pequeno interlúdio – mais do que as resmas da literatura musical e do jornalismo que li e escrevi – pode ser a chave para resolver o paradoxo.

Talvez o Led Zeppelin seja digno porque, como Sir Galahad, o cavaleiro que finalmente recebe o Santo Graal, o coração de seus membros era puro.

Durante a nossa breve conversa, ficou claro que Plant não queria ser paparicado – ele não precisava do seu ego acariciado por um fã adulador. Além disso, ele e seus colegas de banda não estavam nela pelo dinheiro. Na verdade, por décadas, o Zeppelin se recusou a licenciar suas músicas para comerciais de televisão. Nas palavras do próprio Plant, “eu só queria me divertir um pouco“.

Talvez a banda tenha mantido sua fama porque viveu, amou e personificou o rock and roll tão absoluta e totalmente – na medida em que Plant iniciaria uma conversa com um completo estranho no meio da noite apenas para conversar sobre um de seus heróis.

Esse amor, essa pureza de foco, aparece em sua música e, por isso, podemos perdoar os erros do Led Zeppelin.The Conversation


Aram Sinnreich, Associate Professor of Communication Studies, American University School of Communication

Este artigo é uma republicação do original de The Conversation sob uma licença Creative Commons, com autorização do autor. Leia o artigo original (em inglês).

Licença Creative Commons
O trabalho “Plagiadores ou inovadores? O paradoxo do Led Zeppelin perdura” de Aram Sinnreich está licenciado com uma Licença Creative Commons – Atribuição-SemDerivações 4.0 Internacional.
Baseado no trabalho disponível em https://theconversation.com/plagiarists-or-innovators-the-led-zeppelin-paradox-endures-102368.