A redenção de Joe Bonamassa

O herói do blues-rock já foi movido pela raiva, agora ele experimenta um equilíbrio Zen com seu instrumento, cantando e compondo.

De Bill Murphy  Nos bastidores do teatro Eccles de Salt Lake City, com 2.500 lugares, Joe Bonamassa está se divertindo com uma de suas preciosidades: uma Stratocaster de 1956. Seu comportamento é quase exageradamente relaxado para um cara que tocará em uma casa lotada em menos de uma hora. “Eu tenho muito sorte”, diz ele com notável humildade, “pois todas as noites saio com os melhores músicos do mundo. Eles são uma banda dos sonhos. Quando engrenamos e tocamos em potência máxima, é incrível”.

Nem sempre foi assim para o guitarrista de 41 anos de idade, que ganhou notoriedade pela primeira vez aos 12 anos, como a abertura precoce de um show de BB King em um festival no interior de Nova York – uma aparição que levou a uma turnê de 20 shows com a lenda do blues. O pai de Bonamassa, Len, um respeitável vendedor de instrumentos e guitarrista, havia incutido em seu filho não apenas o amor pelo instrumento, mas um grande interesse pela explosão britânica de blues-rock liderada por Jeff Beck, Jimmy Page e Eric Clapton. O jovem canalizou sua inspiração para uma ética de trabalho duro. Quando adolescente, ele acabou sendo expulso de sua própria banda, Bloodline, um experimento hype dos anos 90 com os filhos de Miles Davis, Robby Krieger e Berry Oakley, porque ele preferia longas horas de prática em vez de farrear como um astro do rock.

Joe Bonamassa - Radio City Music Hall Jan 2014Em 2004, Bonamassa tinha quatro álbuns solo em seu currículo, mas os anos vivendo com a pressão de ser considerado um prodígio, até mesmo um salvador do blues, tinham cobrado seu preço. “Eu tinha muito rancor sobre os ombros”, disse ele ao jornal Independent da Inglaterra em 2014.

Eu estava com muita raiva, eu estava mijando vinagre. Eu tinha lutado toda a minha carreira para ser notado, e fiquei tipo, ‘Ok, eu tenho que tocar mais rápido e mais alto que o resto de vocês, e vou fazer vocês me notarem’. Eu não me importava com quantas pessoas eu tivesse que criar atrito.

Hoje em dia, ele não sente mais que tem algo a provar. Mais calmo, mais maduro e, poderíamos dizer, incomumente Zen, Bonamassa expandiu seus horizontes nos últimos anos para criar um groove criativo profundo e recompensador. Ele colaborou com todos, desde John Hiatt até Paul Rodgers e Glenn Hughes (este último no supergrupo Black Country Communion). Ele também gravou dois excelentes álbuns com a cantora e compositora Beth Hart, incluindo Seesaw, indicado ao Grammy . E por quatro anos seguidos, ele está em turnê e gravando com uma banda de apoio estrelar que inclui Reese Wynans (teclados), Michael Rhodes (baixo) e Anton Fig (bateria). A vida pode ficar melhor?

Seu recente álbum, Redemption , responde a essa pergunta em uma afirmação empolgante. Gravado com o amigo de longa data, mentor e produtor Kevin Shirley nos controles, é a imagem de um espelho conceitual do álbum Blues of Desperation, de 2016 – embora Bonamassa seja rápido em apontar que ele está mais inclinado a ver o álbum como uma progressão natural, em vez de uma sequência meticulosamente trabalhada.

“Nos últimos três ou quatro discos que fizemos, o conceito tem sido ‘a melhor música ganha'”, explica ele. “Qualquer outra coisa não importa. Cada registro que fazemos sempre tem um conceito por trás , uma frase ou uma palavra – mas como o último foi Blues of Desperation , a ideia de Redenção era apenas o próximo passo lógico. A questão é que, com este álbum, levamos mais de dois anos trabalhando, o que é muito mais tempo do que o habitual. O processo de composição custou muito mais tempo e paciência para acertar.”

“Eu descobri que todo mundo tem o seu ponto fraco, e você tem sorte quando você o encontra. E o meu é que se você me soltar sobre acordes de blues, eu simplesmente exagero”.

WP2016 JoeBonamassa FFMBonamassa também deu o passo corajoso de convidar dois guitarristas talentosos para as sessões, com Kenny Greenberg fornecendo as partes rítmicas “feijão com arroz” e Doug Lancio adicionando cores e efeitos. “Meu trabalho essencialmente em meus álbuns solo é ser o touro na loja de porcelana”, ele brinca. “É sempre assim que tem sido. Então Kenny e Doug estão fazendo as coisas de coloração que eu teria feito posteriormente – se eu fosse criar essas coisas, o que eu provavelmente não faria. Eles estão reagindo ao que eu estou tocando e ouvindo o resto da banda, e trazendo essas partes de ritmo características, gostosas e matadoras que, para mim, realmente fazem as músicas se conectarem”.

Em sua essência, Redemption encontra Bonamassa tornando-se um cantor e compositor. Claro, ele também está investindo pesado em timbre e expressão em uma verdadeira frota de guitarras clássicas, desde sua robusta Les Paul 59 “Skinnerburst”, sua igualmente favorecida Les Paul 59 “Snakebite” (assim chamada pelos buracos onde a ponte Bigsby costumava ficar) até sua bem equilibrada Fender Nocaster 1951. Mas a abertura, “Evil Mama” define o cenário. É um trabalho indisciplinado e mal-humorado que mostra a recém-descoberta exuberância de Bonamassa, agitando-se no meio da música com um solo de ranger os dentes que se transforma suavemente em double-stops filtradas por wah que lembram Johnny Winter ou Rick Derringer. A partir daí, ele mergulha no blues de boteco (“King Bee Shakedown”), baladas ao estilo do Texas (“Self-Inflicted Wounds”), e até rock country de ritmo acelerado (“The Ghost of Macon Jones”).

Essa transformação vem em detalhes vívidos na faixa-título cheia de gospel, co-escrita com o frequente colaborador James House, e com a contribuição crucial do viajante do rock ‘n’ roll em pessoa, Dion DiMucci. “É uma combinação de personalidades”, pondera Bonamassa. “Dion é um escritor tão cheio de alma. Quero dizer, você esquece que ele estava tocando em bailes em 1959, sabe? Ele é um ótimo músico, um ótimo escritor de blues e rock, e ele é apaixonado por música. Essa foi a última música que editamos para o álbum, cerca de um ano e meio depois que a coisa toda começou. É minha música favorita, e acho que é uma das melhores músicas que escrevi em muito tempo.”

No videoclipe oficial da música, Bonamassa começa as coisas com uma figura de slide, tocada em Gibson 3/4 LG-2 – mais uma em no grupo de guitarras usadas no álbum. Ele não consegue lembrar quais foram as utilizadas, apenas os amplificadores de confiança – um Dumble personalizado, vários Tweed Fender Twins (um dos quais serviu como modelo para o signature Twin de Bonamassa, lançado pela Fender no início deste ano), um Fender Brown Deluxe, um combo Marshall “Bluesbreaker”, sem dúvidas – cada um tem seu lugar em uma narrativa viva de proprietários e músicos dedicados, shows e gravações, com um bom e velho mojo.

“Ao contrário da crença popular, eu não possuo todas as guitarras do mundo”, ele brinca com naturalidade, zombando de suas conhecidas caçadas à equipamentos. (Para um mergulho profundo na toca do coelho de Bonamassa, confira a recente entrevista para a Premier Guitar com Rig Rundown). “A coisa sobre colecionar guitarras, pelo menos para mim – e todo mundo tem sua própria razão para isso, pois é um vício… o que eu procuro é o extraordinário em um mar de coisas comuns. Em termos do que está lá fora agora, on-line ou até mesmo em lojas de guitarras premium por todo o país, para mim não precisa ser caro nem raro. Só tem que ter uma história por trás.”


Artigo originalmente publicado em Premier Guitar, traduzido por Musicosmos® e publicado sob licença de Premier Guitar. Direitos reservados.

DEIXE UM COMENTÁRIO

Por favor escreva seu comentário!
Por favor insira seu nome aqui