Jards Macalé entre desesperanças e maturidade

Macale no palco. Foto de Luciano Viana [CC BY 2.0], via Wikimedia Commons

A música de Jards Macalé não é fácil de decifrar. Porque não é isso que ele quer.

Seu novo disco, Besta Fera, é o retrato tenso do Rio de Janeiro, cidade que tem protagonizado um caos na administração pública de diferentes magnitudes.

O cantor não se preocupa em enumerar o saldo da guerra contra o tráfico, a falência financeira e governamental ou as feridas abertas dos milicianos de uma cidade que não pode mais ser vista como maravilhosa.

Ainda assim, toda essa obscurescência está lá em Besta Fera. O samba é torto e o canto não é nada harmônico. As crônicas não são felizes e o clima não é ameno. Como disse um dos compositores, Kiko Dinucci, é um disco sobre o fim para, então, buscar um novo recomeço.

Mas, para o ouvinte, esse fim não é tão claro assim. As muitas audições revelam um constante estado de espírito niilista. Em “Trevas”, Jards cria um ciclo de término, murmura algo ininteligível e retoma: ‘Treva, a mais negra sobre os homens tristes’. É um verso carregado de raiva e melancolia, provavelmente externando insatisfação com o que acontece ao redor.

Na seguinte, “Buraco da Consolação”, Jards diz que ‘a esperança há muito se foi’ em um outro cenário: o centro da cidade de São Paulo, ambiente recriado ao lado de Tim Bernardes. O som de cabaré ao fundo evoca um tipo de valsa da decadência em que o fundo do poço é parte da essência do descobrimento do amor.

Seja no Rio ou em SP, a metrópole é o significado do incômodo para Jards Macalé. As pessoas, o clima e a indiferença moldam seres humanos cheios de medo e muita ansiedade. A forma com que lida com esses cidadãos, porém, só pode ser uma: por meio de um niilismo provocativo. A crônica “Pacto de Sangue” fala da entrega involuntária de cada um para sobreviver em um ambiente intrinsecamente caótico. Ao lado de Juçara Marçal, em “Peixe”, tem-se a alegoria do animal que se afastou do homem.

Esperança que vem do caos

A forma com que Jards Macalé evoca esperança é pura filosofia. Sua música traduz a dualidade da desilusão e do positivismo como parte de um processo complexo que, na condição de ser humano, significa extravasar.

Na mencionada “Peixe” (composição de Rodrigo Campos), a abertura sonora pelos sopros inspira o cantor a entoar ‘vamos chamar o vento’, em busca da própria libertação. Em “Obstáculos”, Jards faz de um cenário decadente a poesia de superação: ‘Tem mesmo é que seguir’, diz, em uma de suas canções mais reflexivas. ‘Vou levando a vida assim/Tem montanhas, obstáculos/Tem pedreiras, não derrapo’. “De qualquer forma, músicas como “Obstáculos” e “Peixe” falam de sobrevivência, de vontade de viver”, explicou Jards em entrevista ao jornal O Globo.

A condição humana é a práxis de Besta Fera e compreende vontades, anseios, observações e posicionamento. A linguagem de Jards Macalé pode parecer estranha, principalmente para quem não está habituado com a sua música. Entretanto, ela reflete a dificuldade dos percalços de uma vida em que dores e alegrias coexistem, formando um ser humano maduro e nada previsível.

Tiago-Ferreira
Tiago Ferreira
Na Mira do Groove | [email protected] | Website

Editor responsável do Na Mira do Groove, fã de jazz, hip hop, samba, rock, enfim, música urbana em geral.

DEIXE UM COMENTÁRIO

Por favor escreva seu comentário!
Por favor insira seu nome aqui