Inexplicável conexão na música de Christian Scott

Christian-Scott-no-palco-em-2009
Foto: Tom Beetz [CC BY 2.0], via Wikimedia Commons

Christian Scott encontrou um propósito diferente para a sua música. Ele deixou isso bem claro ao lançar o disco Stretch Music (2015), com o discurso de que rock, hip hop e música eletrônica também podem ser parte do jazz.

Já tido como um dos grandes trompetistas dos nossos tempos desde que lançou Anthem (2007), Scott assumiu um novo nome a partir de 2012 – Christian Scott aTunde Adjuah  – e começou a operar de forma diferente enquanto instrumentista.

O saxofonista Branford Marsalis, que lançou este ano o álbum The Secret Between the Shadow and the Soul, disse que tocar jazz com quem canta exige maior senso melódico: cada nota deve ser efetiva, para que a música gere maior identificação.

O novo disco de Christian Scott elabora essa nova busca melódica, com canto, percussão e batidas eletrônicas em alguns temas, mais ou menos nessa métrica descrita por Marsalis.

Mas o que vemos em Ancestral Recall é uma técnica mais apurada de soar efetivo. Afinal, no ínterim de Stretch Music e este novo álbum, houve uma trilogia em que o trompetista revisitou seus antepassados musicais de forma antropológica. Foi assim que surgiu a trilogia The Centennial (2017), que reúne a tríade Ruler Rebel, Diaspora e The Emancipation Procrastination.

Dura história americana

Não é preciso conhecer previamente a música de Scott para se sentir impactado. Ancestral Recall tem uma conexão direta com o passado escravista que ajudou a construir a sociedade americana – e, quando digo americana, pode incluir aí Caribe, América Latina e Brasil, nação que mais recebeu escravos por meio do tráfico em toda a história.

Scott costuma esticar bastante as notas em seus temas, por conta de um claro propósito: impactar, gerar reflexão, estender o exercício da memória dos antepassados (e ajudar o ouvinte no processo de refletir sobre o que foi e representa hoje esse passado).

Em seus trabalhos, Christian Scott montou um time de colaboradores fiéis. Mais uma vez temos o cantor nova-iorquino Saul Williams, que faz uma mistura de hip hop e drum’n bass em tom de contínuo protesto, o baterista multiestilístico Corey Fonville e a flautista Elena Pinderhughes, que intensifica a profundidade musical do disco em temas como “Diviner” e “Before”, uma das melhores músicas do disco. Sem falar nas dezenas de outros colaboradores importantes, que ajudaram a materializar a ambiciosa empreitada musical de Scott.

Você pode até se maravilhar com a técnica exuberante que permeia o disco. Ela cativa e trabalha os sensos como poucos álbuns contemporâneos de jazz. O sentir é onipresente, mas o que compõe o enigma da obra é seu maior trunfo. Falo da conexão com algo que não sabemos o que é.

Ouvindo Ancestral Recall, tenho a impressão que Scott não pretendia que o álbum se tratasse de uma busca individual. De forma difícil de explicar, ele interliga um longínquo passado à essência de quem escuta, não importa o momento: sozinho com o seu fone de ouvido ou em um volume mais alto reunido aos amigos, o efeito é impressionante principalmente quando se tem ciência do quanto a violência, a cobiça e a exploração são indeléveis de nossa história.

Ancestral Recall, para mim, remonta aos duros primeiros capítulos que as autoras Lilia Schwarcz e Heloisa Starling escreveram em Brasil: Uma Biografia, ou o despertar de um sentimento de já nascer derrotado, de quando li As Veias Abertas da América Latina, de Eduardo Galeano. 

A importação criminosa de escravos africanos na América é tida como dolorosa na música de Scott, mas ele também aproveita para resgatar a força da cultura, da sobrevivência e, principalmente, da resistência, que perdura até hoje na estética, no discurso politizado e no modo de lidar com a vida. Temos muito a refletir sobre os assuntos, principalmente em um país que sabemos que não possui como qualidade a memória. Obrigado por isso, Scott.


Nossa Loja:

Tiago-Ferreira
Tiago Ferreira
Na Mira do Groove | [email protected] | Website

Editor responsável do Na Mira do Groove, fã de jazz, hip hop, samba, rock, enfim, música urbana em geral.

DEIXE UM COMENTÁRIO

Por favor escreva seu comentário!
Por favor insira seu nome aqui