Entrevista com Alex Skolnick, um caso único no mundo da guitarra

guitarrista_Alex_Skolnick


De Fabrizio Dadò. Alex Skolnick nasceu em 1968 na Califórnia, na Bay Area de San Francisco. Ele ama guitarristas de rock clássicos, de Hendrix a Clapton, mas também Eddie Van Halen e Randy Rhoads. Teve aulas com Joe Satriani e em 1983 fez sua estreia no Legacy, futuro Testament, uma grande banda de thrash metal dos anos 80. Sob os golpes do grunge, e também das más relações internas ao grupo, Alex abandona a banda em 1992.

A crise da guitarra rock solista, que havia sido popular nas décadas de 70 e 80, assim como o episódio do teste negativo para Ozzy Osbourne em 1995, levou Alex a procurar novos caminhos. Ele se mudou para Nova York e estudou jazz na New School of Greenwich Village, com George Garzone e Reggie Workman. Em 1998 fundou seu próprio trio de jazz.

A virada existencial e estilística é substanciada no álbum de 2002 Goodbye to Romance: Standards for a New Generation (Skol Productions) sob o nome de Alex Skolnick Trio, um trabalho ainda imaturo de intenções jazzísticas, com interpretações de canções de bandas de rock como Aerosmith, Black Sabbath, Kiss, Ozzy e alguns temas originais.

Se a matriz de metal do guitarrista foi mantida ao longo do tempo graças a colaborações com Les Claypool, Savatage, Lamb of God e, desde 2005, o renascido Testament, a estrada no jazz é agora percorrida como a principal em sua discografia, seguindo uma tendência artística, a de guitarristas de rock “convertidos” ao jazz, dos quais talvez Skolnick seja hoje o melhor representante.

Conundrum é o quinto álbum do Alex Skolnick Trio, lançado em vinil, CD e digital. Um triunfo de guitarras limpas (elétrico, cigano, country, acústico) distribuídas por nove faixas. Na entrevista nós aprofundamos a conversa com Alex…


Alex Skolnick trio – video from album “CONUNDRUM”

Conundrum. Qual é o significado do título deste novo álbum do Alex Skolnick Trio?

O título refere-se aos sentimentos despertados em muitos de nós pela recente agitação sócio-política, especialmente desde as eleições de 2016 nos Estados Unidos. É um sentimento surreal que tem a ver com ser jogado no caos de uma vida razoavelmente ordenada, de um sistema social e de governo que, longe de ser perfeito, oferecia pelo menos uma sensação de estabilidade. O sentimento é agravado pelo fato de que muitos estão aceitando pontos de vista extremos contra qualquer evidência óbvia. É um impasse (conundrum, em inglês) global. Esta é uma resposta para sua pergunta. Há também outra mais simples: fizemos a escolha incomum de inserir um solo de bateria como o primeiro solo do disco, e a palavra drum (bateria em inglês) está contida em … Conundrum!

Há muito tempo atrás você preferiu o mundo do rock e do metal ao jazz. O que ainda existe em você daquele tempo?

Na verdade, em algum momento deixei de lado o metal para focar no jazz, mas também fiz o caminho de volta e agora toco os dois. Eu realmente acho que trouxe algo do estilo antigo para o novo, especialmente em termos de imediatismo. O jazz pode ser muito complexo, especialmente para novos ouvintes, enquanto o metal é claro e direto. No meu trabalho instrumental, tento encontrar um equilíbrio entre a complexidade do jazz e a inclusão de melodias incisivas e sinceras que vem do metal.

No novo disco há grande atenção para a composição das músicas e muitas são originais…

Eu queria que as músicas fossem diferentes umas das outras, inesperadas. Conundrum é a melhor representação do que eu sou, não apenas como guitarrista, mas como ouvinte. Eu acho que é o mesmo para Nathan (Peck) e Matt (Zebroski), respectivamente contrabaixo e bateria no disco. Cada um de nós já ouviu muitos estilos musicais diferentes, de diversas épocas. A nossa base é a do jazz guitar trio, mas nós construímos muito mais sobre isso: tango, western swing, funk, blues… É música para todos, não apenas para fanáticos de guitarra e músicos. Eu também queria fazer uma pausa em novos arranjos de músicas de rock. Ainda tocamos ao vivo, mas nossa atenção está muito mais direcionada às peças originais, todas escritas por mim com a ajuda em alguns casos de Matt, que também escreveu Dodge the Bambula (bamboula é o nome de uma dança e uma percussão, que se espalhou da África para o Haiti e depois para Nova Orleans; Zebroski baseia o ritmo na progressão de Dodge the Dodo de Esbjorn Svensson). Nathan é o autor de Protect the Dream.

O disco também apresenta Gymnopédie Nº 1, uma das três faixas de piano escritas em 1888 por Erik Satie…

Toda vez que ouço uma bela versão para piano desse maravilhoso trabalho, sinto uma grande emoção. Eu queria capturar esse sentimento, então baixei a sexta corda de Mi para Ré: soava bem, mas eu não tinha certeza se poderia ir além da introdução. Depois de tentar por um tempo, entendi que poderia ser feito. Eu mudei o tempo para 11/8 – ou 5/8 seguido por 6/8 – o que torna muito difícil improvisar sobre ele, mas é mais interessante tanto para o músico quanto para o ouvinte. Nós testamos com o meu novo violão Taylor e soou tão bom e tão natural que tivemos que gravá-lo. É um pouco irônico que a Gymnopédie tenha sido inserida por dois motivos. Como eu disse, em Conundrum eu queria que todas as peças fossem originais; também o último álbum (Veritas, 2011) foi feito apenas de originais, exceto pela música que chamou a atenção de todos: um arranjo do Metallica, Fade to Black! Imaginei que uma composição de Satie acrescentaria algo novo sem roubar a cena, e foi assim. A segunda razão é que nos últimos anos tenho escutado muitas gravações de piano clássico, especialmente porque não corro imediatamente para pegar a guitarra para tocar ou escrever uma nova peça. Em vez disso, Gymnopedie me perseguiu até que encontrei um arranjo!

Você pode nos dar algumas informações sobre o modo e técnicas de gravação usadas para o Conundrum?

Demorou uma semana para gravar o álbum inteiro. Nós ficamos no Spin Studios, no Queens, em Nova York. Nós gravamos ao vivo no estúdio durante os primeiros dias, até termos as faixas com a bateria da maneira que queríamos. Alguns dias então foram usados para correções e embelezamentos. Mais alguns dias se passaram antes de retornar ao estúdio com ouvidos descansados para completar a mixagem. Nós gravamos de três a seis tomadas diferentes de cada peça, na maioria das vezes. Estávamos em salas separadas, mas podíamos nos ver pelas janelas. Eu tinha dois amplificadores microfonados, como em álbuns da velha guarda, mas usamos o ProTools. Pequenos ajustes são necessários e as possibilidades digitais são úteis nesses casos. No entanto, não fizemos correções nas execuções originais.

Por que você prefere a formação de Power Trio? Nunca o veremos acompanhado de teclados e seção de metais?

A razão para o trio é parcialmente logística. Todos nós temos agendas muito apertadas, e isso é necessário hoje para podermos viver como músicos. Trazer uma quarta ou quinta pessoa ao grupo seria mais difícil. E depois, tocamos bem como um trio, estamos atingindo níveis que nunca experimentamos antes e que gostaríamos de manter. Eu já toquei com amigos nos sopros e teclados e foi muito divertido, então cedo ou tarde eu também gravarei com outros instrumentos.

Conte-nos sobre suas guitarras e seus principais amplificadores: quais foram usados em Conundrum?

A guitarra principal do álbum é uma Godin Montreal Premier (semi-acústica singlecut). É semelhante a uma Gibson ES-335, mas é mais moderna. Esta é a base do som, mas eu também usei outras grandes guitarras que possuo. Na Gymnopédie No. 1 e Protect the Dream eu toquei um violão Taylor acústico (614ce). Culture Shock foi tocada em uma 1950 Reissue Telecaster: percebe-se no solo country (Alex provavelmente está se referindo à sua réplica Fender No-Caster ’51).

Minha ESP Alex Skolnick Aquaburst está no solo de Protect the Dream. No início do Conundrum há uma 12 cordas: é a minha Gibson Doubleneck SG Custom Shop. Como amplificador, no estúdio eu usei um Fender Vibrolux vintage, que eu uso apenas em casa e no estúdio, e um Twinmaster Buddha. Uso ao vivo muitas vezes um Peavey Classic 50. (Em Dodge the Bambula você também ouve um violão acústico de nylon, certamente o Pierre Fontaine de Skolnick).

Você ainda pratica regularmente?

Sim, muito. Eu passo centenas de dias por ano em turnê e me preparar para cada apresentação requer muito exercício. Na maioria das vezes eu toco minhas músicas favoritas ou transcrevo algumas partes. Ultimamente eu incluí Bad Benson, de George Benson (CTI Records, 1974) e John Scofield com MMW (Medeski, Martin e Wood). Eu pratico regularmente, mesmo que eu não tenha shows ou gravações agendadas; mas acontece com maior intensidade quando tenho de me preparar para uma apresentação ao vivo ou uma sessão de estúdio.

Há algum projeto novo?

Estou preparando meu primeiro curso de guitarra online; estará no TrueFire (plataforma especializada em educação musical online), e estou impaciente para terminar (o curso está aqui). Eu também estou escrevendo para o próximo álbum do Testament e planejando os shows do meu trio. Nós estaremos na Europa em março…

O mundo da guitarra mudou muito nos últimos vinte anos. Em que momento você acha que estamos hoje? E onde você está como artista?

Sim, mudou muito. Por muito tempo a música popular – da Invasão Britânica ao rock e pop que se seguiu ao longo das décadas seguintes até o final dos anos 2000 – frequentemente teve a guitarra como instrumento principal. Não é mais assim, mas a apreciação da guitarra é maior do que nunca, apesar de estar desconectada da música em voga hoje em dia. Eu não acho que seja uma coisa ruim.

Pessoalmente, tive a sorte de poder emergir na minha juventude como guitarrista de um certo tipo, passei muitos anos longe do público para reinventar minha maneira de tocar, e finalmente ressurgir como um músico para todos. Eu não sou o guitarrista mais rápido, tenho amigos que considero mais rápidos que eu; Eu não sou o mais revolucionário pós-moderno jazzista, nem o mais funky, o mais blues, o mais metal ou o “mais” em qualquer outra coisa. No entanto, se assim posso dizer, acho que sou realmente capaz de me inserir e tocar com grandes músicos em diferentes gêneros musicais. Isso me coloca em um lugar único no mundo da guitarra.


Originalmente publicado na revista Axe Guitar Magazine nº 11 – Traduzido e reproduzido por Musicosmos com autorização de Edizioni Palomino, Rome (Itália) – © Edizioni Palomino – Todos os direitos reservados.

DEIXE UM COMENTÁRIO

Por favor escreva seu comentário!
Por favor insira seu nome aqui