Microfonar em uma Igreja

como-microfonar-em-uma-igreja

Embora eu tenha uma vasta experiência a respeito de como microfonar em uma igreja, confesso que falhei na primeira tentativa de capturar o artista David Brauner de modo natural durante uma sessão de gravação. Pelo menos eu aprendi o que não deveria fazer.

O objetivo era colocar a música no espaço onde ela era destinada a ser ouvida: a Igreja Presbiteriana de Westminster, em San Diego. Embora tenhamos alcançado parte de nossos objetivos, os resultados não foram em absoluto o que esperávamos. Após um exame de consciência e uma revisão cuidadosa dos resultados, percebi que cometi alguns pecados sonoros.

Para começar, a maioria das centenas de projetos de gravação nos quais eu havia trabalhado até então começaram com a gravação da “seção rítmica”, uma pequena combinação de elementos musicais essenciais, como bateria, baixo, guitarra rítmica e um vocal guia, ou vocal de “rascunho”, e depois a construção seria feita com base nisso.

Novos desafios

Este é um método tradicional que engloba vários gêneros e gerações na música popular, e até então havia funcionado bem para mim.

Mas eu nunca havia gravado em um ambiente como aquele antes, especialmente daquele tamanho e complexidade. Lindo, sim… mas também vazio. Isso proporcionou uma qualidade ainda mais reverberante com menos atenuação das frequências mais altas, o que resultou em uma explosão sonora incrivelmente grande, como se fosse Led Zepellin.

Só que não deveria soar como um registro do Zepellin, em absoluto. Na verdade era um tipo mais intimista de música Americana. Eu precisava reconhecer que, embora a acústica fosse muito bonita, ainda assim era destinada a coisas como órgão, solistas vocais e corais.

David e eu sentimos que sua performance vocal, naquela sala, era o que criaria o ambiente certo, e poderia até mesmo dar a suas músicas uma atmosfera mais espiritual.

Preparação

No entanto, antes que eu pudesse reservar tempo para gravar na igreja novamente, havia outro desafio: como capturar tudo, agora que o equipamento portátil que eu estava usando ficaria fora de serviço por algumas semanas. Eu tenho um Roland VS-880. Na verdade, eu tenho três deles: minha unidade original e mais duas que eu comprei porque amo o som e a facilidade de uso.

Embora eu tenha registrado centenas de projetos no final dos anos 90 e início dos anos 2000 com eles, eu não os usei com muita frequência nos últimos anos. Quando usava, era geralmente como um gravador portátil multitrack: se alguém tivesse um piano que fosse especial ou que parecesse especialmente bom na sala em que estava, eu iria até lá e usaria um VS-880. Se um artista quisesse gravar em uma residência ou em um lugar onde a sala ou o público tivesse uma presença única, ou talvez se quisesse gravar demos em seu local de ensaio, o VS-880 seria uma solução que soa ótima e é prática.

Mas…

A desvantagem desta estratégia é que a unidade não possui pré-amplificadores de microfone XLR integrados, somente entrada de 1/4″. Isso significa que, se você precisar usar um microfone condensador, por exemplo, precisará de uma fonte de alimentação externa, exatamente como faria se usasse microfones valvulados. Isso significava que eu teria que escolher meus microfones cuidadosamente, já que a impedância dos sinais do microfone seria convertida e depois passaria por um segundo estágio de pré-amplificação até o VS-880.

Opções

Eu considerei brevemente algumas opções de microfones valvulados, como o meu MXL Genesis, que funcionou bem com a voz de David em projetos anteriores. No entanto, senti que queria uma imagem menos colorida e mais precisa do cantor e da sala. Isso me levou de volta às duas melhores opções entre os condensadores: meu confiável par de microfones Shure KSM44 ou meu par de microfones Earthworks TC30K de qualidade de referência. Ambos os conjuntos de microfones já provaram ser de alto nível e muito confiáveis, com excelentes especificações de som, embora cada um tenha seu próprio sabor.

O KSM44 pode ser cardióide, omni ou figura 8, enquanto o Earthworks é estritamente omnidirecional. Além disso, os microfones Shure exibem um pouco mais de peso em 200Hz e abaixo, em contraste com a resposta de freqüência muito plana do TC30K.

Microfonar em uma igreja: quantidade

Houve também o problema de quantos microfones usar. Todos os arranjos das músicas estavam bastante avançados neste momento e contavam com várias guitarras acústicas e elétricas, piano, órgão, baixo e bateria, ocupando todo o campo estéreo. Isso potencialmente significava que poderíamos acabar fazendo um grande esforço para capturar o espaço em toda a sua glória estereofônica, apenas para deixar todos os outros elementos da mixagem embolados e confusos.

Depois de pensar um pouco, cheguei à conclusão de que era a profundidade e não a largura da sala que daria o caráter desejado às vozes que estávamos procurando.

KSM44

Eu decidi pelo WSM44 devido à variedade de opções disponíveis. Eu usaria um para gravar a voz “estilo estúdio” no modo cardioide, para que eu pudesse garantir um sinal limpo e digno de uma mixagem moderna.

O outro microfone seria configurado para capturar a sala no modo omni e poderia ser mixado atrás da voz. Se essas pistas vocais resultassem em uma imagem muito monofônica, elas ainda poderiam ser processadas. Eu trouxe os dois pares de microfones, só para ter certeza.

A questão de como esses microfones seriam alimentados ainda permanecia. Meu primeiro pensamento foi usar minha unidade de pré-amplificador de microfones Hamptone HJFP2 JFET de duas entradas, que foi construída a partir de um kit do projetista de amplificadores de guitarra Randy Bemis. É fácil de usar e muito fácil de transportar, mas uma desvantagem potencial é que os circuitos JFET adicionam uma cor “estilo válvula” ao sinal quando são acionados. Pode ser difícil quantificar quanto disso é desejável enquanto você está na sala de gravação.

Os pré-amplificadores

Eu havia encontrado recentemente um par de pré-amplificadores Alesis MicTube Solo usados. Fiz alguns testes preliminares em casa e descobri que, de fato, eles soavam muito bem, com a quantidade certa de compressão de válvula para manter as coisas limpas e sem distorções!

Como benefício adicional, este pré-amplificador tem uma saída de 1/4″, portanto poderia levá-lo diretamente ao VS-880 sem usar cabos ou adaptadores especiais. Foi essa minha escolha e, mais uma vez, deixei o Hamptone como uma opção de backup.

Tecnologias

Depois que as ferramentas e o método de trabalho foram estabelecidos, era hora de abordar os problemas de fluxo de trabalho que todas essas decisões técnicas e idiossincrasias apresentavam. O mais importante foi o fato de que as faixas não seriam criadas no formato nativo do projeto, o Studio One DAW da PreSonus. Estaríamos gravando tomadas vocais para mixagens instrumentais irreversíveis nas 15 músicas do álbum, distribuídas em três unidades diferentes do VS-880.

Parte disso foi por razões de economia de dados. Eu escolhi gravar essas tomadas no Master Mode do VS-880, sem compactar, a uma taxa de amostragem de 48 kHz (que corresponde aos arquivos originais do Studio One, portanto, importá-los seria mais simples). Pelos padrões atuais, o VS-880 tem muito pouco espaço em disco para acomodar essas gravações.

Os desafios de microfonar em uma igreja

Este parecia ser um plano bastante sólido, com o que parecia ser uma ótima cadeia de sinal sonoro, mas apresentava dois desafios imediatos.

Primeiro, foi que não havia caminho de sinal completamente digital; Minha interface digital / mixer PreSonus StudioLive 16.0.2 não possui uma entrada digital S / PDIF, portanto não posso sincronizar digitalmente o computador com o VS-880.

Isso nos leva ao obstáculo número dois, que é como fazer com que as vozes gravadas remotamente combinem exatamente com as outras faixas, quando as devolvermos ao Studio One.

O truque seria incluir a contagem do baterista com suas baquetas na parte inicial de cada música, de modo a termos um pequeno transiente limpo e agradável na forma de onda para conectar e sincronizar visualmente com as faixas de bateria originais mais tarde, colocando a voz exatamente onde deveria estar.

Submixagens

Não há como arrastar e soltar com um mouse no VS-880, então meus submixes de backup estéreo para as primeiras seis músicas tiveram que ser gravados um de cada vez no VS-880 a partir do Studio One em tempo real, em ordem alfabética e nomeados em sequência para evitar confusão posterior. (Então eu fiz o mesmo para as faixas 7-12 na segunda unidade e 13-15 na terceira).

Estas submixagens ocuparam as faixas 1 e 2 de 8 em cada música, e eu coloquei uma tira de fita na parte de baixo do VS -880, sob os faders, para rotular tudo claramente.

A parte difícil dessa estratégia era que seriam necessárias algumas faixas virtuais para cada gravação, o que significava que cada gravação requeria o dobro do espaço em disco e que a média era de apenas quatro takes para cada canal que usaríamos em cada música. Dado que isso teria que comportar qualquer inspiração espontânea, como rascunho de idéias vocais, palmas e gritos, eu decidi que deveria voltar para casa com um máximo de três takes para cada música.

Conseguimos isso usando a função Virtual Tracks do VS-880. Dentro de cada uma das 8 trilhas dessa unidade, há a capacidade de gravar 8 tomadas separadas.

Na hora

Eu levei os microfones, pré-amplificadores e todos os tipos de interconexão que se possa imaginar. Isso inclui três cabos XLR longos, que eu tive que fazer sob medida para fornecer o melhor sinal a uma distância grande (de acordo com os padrões de cabo de áudio).

Também levei alguns dos meus fones de ouvido favoritos, o Sennheiser HD280 Pro e AKG K240, além de um amplificador de headphone Behringer HA4600 para monitoramento, vários cabos de extensão, alguns pedestais de microfone sólidos mas portáteis… e, finalmente, entendi o conceito de “segurança primeiro”. Eu adicionei o meu microfone de diafragma de grande dinâmica Electro-Voice RE20, para o caso de realmente precisarmos tirar a ambiência do microfone vocal próximo!

Cheguei na igreja com antecedência e comecei a repensar as áreas que precisávamos usar. Obviamente, eu primeiro quis configurar o microfone vocal o mais próximo possível do lugar onde David se sentia mais confortável tocando. Então eu encontrei uma área perto do órgão que fornecia todas as fontes de energia e a superfície de trabalho que eu precisaria, a cerca de 10 metros de distância das vozes. Eu instalei os fones de ouvido e toquei as mixagens através deles para obter os níveis e sensação de espaço.

A partir daí eu voltei minha atenção para o ambiente: onde eu deveria colocar um único microfone que retrataria perfeitamente a essência deste espaço? Enquanto David se aquecia cantando junto com as mixagens, eu andei pelas áreas que faziam mais sentido localizar o microfone ouvindo cada uma delas.

O centro da parte de trás da sala parecia cheio, mas um pouco barulhento abaixo de 150 Hz. Os cantos traseiros eram mais claros, mas faltavam corpo e apresentavam sibilos excessivos. Os cantos do palco pareciam muito bem equilibrados, mas muito próximos. Finalmente, eu encontrei um lugar no centro, a cerca de quatro bancos de distância, que capturou a melhor perspectiva de som, embora eu ainda desejasse que houvesse um pouco mais de presença da sala… então eu mudei o padrão de captação do microfone vocal próximo ao David para a Figura 8, que coleta o áudio na frente e atrás do microfone em igual medida. Isto adicionou as reflexões da sala a partir da perspectiva do cantor, proporcionando assim uma representação mais completa da interpretação.

microfone-no-centro-da-igreja

Levantando a voz

Desde o primeiro momento, eu sabia que tudo valeria a pena. Não apenas pelo som, embora estivesse indo muito bem – mas pela confiança e alegria que parecia irradiar de David através de sua voz. Ele estava em casa e estava feliz com isso.

Eu devo mencionar que, em projetos anteriores, as sessões vocais de David geralmente envolvem ele cantando cerca de seis ou sete tomadas em duas ou três músicas até se cansar. Muitas vezes, ele volta para cantar uma dessas músicas novamente. Todo o processo de gravação vocal pode levar semanas. No entanto, desta vez ele fez tudo muito bem nos dois primeiros takes e registrou um terceiro apenas por segurança.

Nós fizemos oito músicas no primeiro dia e as outras sete no dia seguinte, em sessões de cinco horas. No final do primeiro dia, carreguei as tomadas de uma música no estúdio para ter certeza de que tínhamos uma qualidade sólida com nossa configuração. Minha avaliação preliminar foi muito positiva.

Inspiração

O artista estava inspirado e nós o captamos. Sim, ficamos sem espaço no disco rígido de um VS-880. Como queríamos adicionar uma faixa batendo palmas em uma canção, abrimos espaço para ela apagando algumas tomadas do microfone da sala em uma outra música para a qual julgamos que seriam desnecessárias.

Em nítido contraste com as nossas primeiras sessões de gravação na igreja, fomos abençoados com uma experiência muito menos árdua no sentido técnico, que finalmente produziu muitos takes vocais realmente bons.

De volta ao início

Depois de voltar das sessões da igreja, o trabalho seguinte foi transferir essas tomadas para o Studio One, onde cada par de tomadas (o microfone próximo e o microfone na sala) teria que ser alinhado e preparado para ser compilado em um único take mestre. Como cada tomada era uma faixa mono, podia mover o microfone da voz para a esquerda e o microfone da sala para a direita, depois acioná-los diretamente do par de saída principal do VS880 para duas entradas separadas no 16.0.2, embora isso significasse que estaria passando o sinal através de outro estágio de pré-amplificação.

Embora eu só precisasse do que estava nas faixas 7 e 8, deixei a submixagem ser tocada nas faixas 1 e 2 para incluir a contagem e o tempo antes de silencia-las.

Eu configurei um par de trilhas agrupadas para cada tomada no Studio One.

studio-one

Depois de gravar

Após a transferência eu fui aos cliques na contagem do baterista dos novos arquivos e alinhei-os com o original, eliminando o excesso de tempo no início do arquivo, conforme necessário. Uma vez que todos os takes estivessem alinhados e em seu lugar, as melhores seções de cada um poderiam ser colocadas seletivamente em uma composição vocal à vontade.

Depois de carregar e editar as vozes da primeira música, senti que o som não era tão agressivo quanto eu havia sentido na igreja. A voz parecia estar lutando para se destacar nos arranjos. Embora eu tenha me esforçado para manter a cadeia vocal o mais livre possível até este ponto, decidi tentar passar a voz através de outro pré-amplificador, o do meu Universal Audio 6176. Como esta é a minha unidade titular para a maior parte das vozes, parecia um ajuste natural. Além disso, você pode adicionar alguma compressão genuína ao estilo 1176 e até melhorar as coisas com o equalizador integrado.

Finalmente

Depois de alguns ajustes, cheguei a um som bastante agressivo ao usar a configuração “todos os botões do compressor” com um ataque rápido e tempo de release médio, adicionando um toque de “ar” através de um reforço de 3 dB – reforço em 10 kHz e aumento de 6 dB a 200 Hz. Deixei baixa a pista do microfone da sala, de modo que a dinâmica permanecesse intacta. Como resultado, toda vez que David faz barulho na sala, amplifica-se a sensação de emoção, porque sua voz principal vai diminuindo enquanto permite que o ambiente da igreja floresça.

Repeti os takes vocais e amei o som, depois continuei com o resto das músicas do projeto. Isso levou muito tempo, é claro, especialmente quando comparado ao método de arrastar e soltar, mas o produtor e o artista concordam que o resultado final definitivamente valeu o planejamento e o esforço extra… tanto pessoal quanto espiritualmente.

Bem, microfonar em uma igreja é um assunto que vai muito além dos microfones… inclui uma série de outros aspectos e equipamentos – e espero que este artigo tenha demonstrado um pouco disso. Até logo.

[Por Sven-Erik Seaholm]


DEIXE UM COMENTÁRIO

Por favor escreva seu comentário!
Por favor insira seu nome aqui