5 músicas que valem o título de ‘Madrinha do Samba’ de Beth Carvalho

beth-carvalho-creative-commons

"bethcarvalho-50anos-004"by fellipebranco is licensed under CC BY-NC 2.0

Beth Carvalho não é considerada a “Madrinha do Samba” apenas por abrilhantar canções de Nelson Cavaquinho, Cartola, Almir Guineto, Jorge Aragão, Luiz Carlos da Vila e muitos outros.

Sua representatividade permanecia intacta em mais de 50 anos de carreira, seja como “facilitadora” do gênero (Zeca Pagodinho que o diga) ou como porta-voz de uma das maiores forças do samba: seu poder de identificação com o cidadão.

O editor do Floga-se, Fernando Augusto Lopes, usa o termo ‘chão de fábrica’ para descrevê-la, algo que faz completo sentido ao observar suas músicas e seu posicionamento enquanto baluarte de um gênero que já foi o suprassumo da nossa música popular.

Como intérprete, Beth Carvalho compreendia o significado das letras, mas não soava dramática. Era uma voz que trazia a sabedoria do empirismo, que aproximava as massas por uma característica que transcende a técnica vocal.

Beth, que já cantou samba de morro, samba-canção, pagode e samba enredo, era uma cantora do povo. E é exatamente esse aspecto que quero enaltecer na seleção de 5 das suas músicas mais representativas (tem mais, lógico!).

Descanse em paz, Rainha!

“Andança” (1968)

Com uma pegada meio Milton Nascimento, essa música foi escrita por Danilo Caymmi, Edmundo Souto e Paulinho Tapajós na casa da própria Beth, para inscrevê-la no III Festival Internacional da Canção. Beth interpretou a música com os Golden Boys e conseguiu um 3º lugar.

Embora ela não tenha sido gravada com o intuito de ser um samba, tornou-se um hit obrigatório em seu repertório: um acalanto amoroso que ainda paira em nosso imaginário quando pensamos naquele bom e velho samba-canção.

“Olho por Olho” (1977)

Clássico de um de seus melhores discos, Nos Botequins da Vida, “Olho por Olho”, de Daniel Santos e Zé do Maranhão, falava de direitos iguais entre homens e mulheres, mostrando a visão de Beth para o que se convencionou chamar ‘mulher de malandro’.

Trata-se de uma espécie de manifesto em busca da igualdade, com a seguinte mensagem oculta: mulheres, vocês não precisam depender de homem algum, não precisam estar sujeitas à violência e devem buscar a própria felicidade. Uma ode não declarada à independência.

“Saco de Feijão”

Mais uma de Nos Botequins da Vida, um disco que vale a pena ouvir de cabo a rabo, “Saco de Feijão” permanece atual porque fala sobre como a desvalorização do dinheiro afeta os mais pobres.

A composição de Francisco Santana (da Velha Guarda da Portela) era uma crítica à condução da política econômica na era mais obscura da Ditadura Militar – e antecipou a época da hiperinflação, que assombraria a população na década seguinte.

Quando alguém perguntar para você o que significa inflação, mostre essa música: é uma lição à parte.

“Vou Festejar” (1978)

O grande hit do Carnaval de 1979 marcou uma ruptura no samba: o surgimento do bloco Cacique do Ramos, que nos brindou com o Fundo de Quintal, um dos nomes mais expressivos do pagode a partir de então.

Beth Carvalho dá uma vivacidade única à música. Ela doma a festa, envolve todo mundo e inspira muitos risos. No livro A Canção no Tempo, os autores Jairo Severiano e Zuza Homem de Mello descrevem “Vou Festejar” como “sem a menor sombra de dúvida, a peça abre-alas da moda do pagode que dominaria a produção fonográfica brasileira nos anos seguintes”.

“Virada” (1981)

E, por fim, uma música que fala sobre dinheiro, trabalho, mas, principalmente, sobre ‘dar o troco’ – que pode ser interpretado como esforço, revolta ou indignação. É um samba-de-quadra poderoso, com força para engajar mesmo quem esteja ouvindo pela primeira vez. Sem falar no quanto é atual.

Nota interessante sobre esta música, composta por Noca da Portela e seu filho Gilpert: ela só passou pela censura da Ditadura porque o oficial se dizia fã de Martinho da Vila e gostava de samba. A crítica social de “Virada” era tão contagiante, que tornou-se inevitável hino da campanha pelas ‘diretas já’.


Nossos Comerciais:

Tiago-Ferreira
Tiago Ferreira
Na Mira do Groove | [email protected] | Website

Editor responsável do Na Mira do Groove, fã de jazz, hip hop, samba, rock, enfim, música urbana em geral.

DEIXE UM COMENTÁRIO

Por favor escreva seu comentário!
Por favor insira seu nome aqui