Entrevista com Ron “Bumblefoot” Thal

Foto de Kevin RC Wilson
 De Fernando Curiel, Revista Músico Pro   Curioso, explorador, habilidoso e dedicado a alcançar seus objetivos. Isso é o que penso de nosso protagonista depois de conversar com este que é chamado de Bumblefoot. O virtuoso guitarrista de dispôs a conversar com a Revista Músico Pro, com a(s) guitarra(s) nas mãos. Sua curiosidade para experimentação é materializada na guitarra de dois braços que se tornou parte de sua imagem. Um braço sem trastes (fretless) e outro com trastes. A habilidade técnica que ele demonstra lhe permitiu destacar-se em um mundo onde os guitarristas são abundantes. Com uma dúzia de álbuns solo, há material original suficiente para se familiarizar com a voz particular deste músico impressionante. Ele também colaborou com um grande número de artistas e bandas, sendo a mais notável o Guns N ‘Roses. Quando a transcendental banda de hard rock foi ressuscitada com novos membros pelo cantor Axl Rose, Bumblefoot foi um dos três guitarristas a reanimá-la. Ele substituiu Buckethead, e começou em 2004. Em 2008 eles lançaram o álbum Chinese Democracy. No mesmo ano, ele excursionou com Lita Ford. Em 2015, anunciou sua saída do Guns N ‘Roses para se dedicar à própria carreira solo.

Hoje em dia sente-se revitalizado com a emoção de criar uma nova banda com músicos que ele admira e respeita. Com Mike Portnoy (ex-Dream Theater, baterista), Billy Sheehan (Mr. Big, baixista), Derek Sherinian (ex-tecladista de Billy Idol, Kiss, Dream Theater) e Jeff Scott Soto (ex-vocalista do Journey, Yngwie Malmsteen) forma a super banda de metal progressivo chamada Sons of Apollo, sobre a qual você pode ler mais profundamente na edição de março de 2018 da Revista Músico Pro.

Na presente entrevista focamos na trajetória, carreira, rotina de estudo, equipamentos e experiências de Ron “Bumblefoot” Thal. Espero que você goste!

Qual é a sua primeira memória musical? O que realmente marcou você?

Eu sinceramente acho que foi Vila Sésamo. E diferentes programas de TV em meados dos anos 70. Há melodias que ainda me lembro perfeitamente. Os desenhos animados tinham músicas incríveis! Muita música clássica e ópera. Lembro-me de cantarolar melodias diferentes e todas elas eram músicas clássicas devido ao conteúdo musical desses desenhos animados.

Você sempre foi muito musical?

Quando criança, eu não era um daqueles que saíam para jogar beisebol com os outros. Eu gostava de ficar em casa e ler enciclopédias. Eu era fascinado por tudo o que eu não sabia. Fiquei fascinado com o conceito de que eu estava sempre iniciando uma jornada de conhecimento. Esse frescor com o qual se começa a aprender é algo que tento aplicar à minha vida. Mas meu interesse pela música foi aprimorado quando minha família se mudou do Brooklyn para Staten Island. Havia um grupo de meninos alguns anos mais velhos que traziam uma música incrível para suas casas. Isso é meados dos anos 70; naquela época você não tinha como comprar música ruim nem se tentasse! Toda semana alguém vinha com o novo álbum do Queen, do Led Zeppelin, do Pink Floyd, do Kiss, do The Who… tudo era incrível, até a música disco, The Bee Gees. O Funk! E a cena em Nova York era e se tornaria algo incrível; Os Ramones, Kiss, Twisted Sister, Anthrax alguns anos mais tarde, as bandas de hardcore que se seguiram… Mas continuando nos anos 70, eu estava sempre na casa de alguém e aí tocava um álbum de Elton John, The Beatles, apaixonei-me pelos Beatles… Mas então chegou o dia em que colocamos um disco que tinha acabado de sair, e eu estava vendo a capa, e lá estavam os quatro personagens, seus rostos pintados como se fossem monstros e começo a ouvir o ruído da multidão; Fiquei hipnotizando. Eu me lembro de ficar estático assistindo o equipamento de som, como se eu tivesse a banda na minha frente… foi um momento mágico, e obviamente o álbum era Kiss Alive. A energia que eu senti… Eu sabia que era isso o que eu queria fazer pelo resto da minha vida, ser músico e causar esta sensação nos demais.

Bumblefoot
Foto de Bryan A. Poor

E você sempre soube que queria fazer isso com a guitarra?

Eu vou te dizer que no começo eu queria ser baterista, mas meu irmão mais velho também queria ser baterista, então ele me venceu pela hierarquia. Gene Simmons (KISS) foi um dos meus heróis com todo o seu espetáculo de cuspir fogo e coisas assim, então eu decidi ir para o baixo. Fui à loja de música mais próxima e disse que queria ser baixista e me inscrevi para as aulas. Eu imagino que quando eles viram uma criança do tamanho de um baixo aparecer, eles tiveram pena de mim e mentiram para mim que para ser um bom baixista, eu teria que ter aulas de guitarra por dois anos primeiro! O que aconteceu foi que a loja não tinha baixos para crianças, mas eles tinham guitarras para crianças. Então comecei, enganado, minhas aulas de guitarra. Eu adorei e fiquei fiel a ela.

Como você se cuida? Você está em dia com a sua saúde?

Sim! Minha avó sempre dizia: “Pelo menos você tem saúde!” (Risos) Você tem que ouvir as pessoas que viveram mais do que você. Você acha que sabe tudo, mas na verdade nós não sabemos nada! Sem saúde não há shows, turnês, nem saúde mental, nem alegria. É por isso que você precisa cuidar de si mesmo. Eu sinto que devo aos fãs poder dar a eles o melhor show que eu posso. Eu tento ter uma alimentação saudável e fazer exercícios, o que é muito difícil quando você está em turnê, bem como dormir bem. Não há nada que cure melhor uma dor de garganta para cantar, pernas cansadas de tanto correr pelo palco, como comida saudável e oito horas de sono. Dormir bem uma noite inteira, acho que é a coisa mais importante de todas! Hoje brincamos que o sono é a nova droga. Quando você fica doente em turnê, não há como voltar atrás, você fica cada vez pior… então você tem que ficar saudável.

Conte-me um pouco sobre o equipamento que você usa em seu home studio.

Eu uso o Cubase há 20 anos. Quando todas as outras empresas de software soavam da mesma forma, a Steinberg Cubase teve um ótimo resultado ao conseguir uma emulação de som de fita que simplesmente esmagava as outras empresas em qualidade e profundidade. Eu também uso o Nuendo. Quanto ao estúdio, comprei uma propriedade em Nova Jersey e a transformei em um lugar onde as bandas podem viver e criar. É o que eu queria, um lugar onde as bandas pudessem viver música. Que 24 horas por dia você esteja neste lugar onde você pode compor ou gravar a qualquer momento, e não em um determinado momento. Lá eu gravo tudo que faço, componho música para filmes de terror, gravo para bibliotecas de sons, tudo sai de lá. Eu uso uma incrível interface de áudio da Prism Sound chamada Orpheus. Eu tenho um compressor / limitador Atomic Squeeze Box da InnerTUBE, e o que você consegue é absurdamente bom. É uma ferramenta de masterização mas também a utilizo para vozes ou guitarras acústicas. Eu também uso produtos Neve por sua coloração. Alguns dos plug-ins que sempre uso incluem Slate Digital, TaakS e IK Multimedia AmpliTube e… há momentos nos quais o plug-in AmpliTube faz um trabalho melhor do que eu microfonando perfeitamente um amplificador com microfones diferentes de milhares de dólares! (risos) Os pedais TC Electronic são uma obsessão. E o Wah da Dunlop.

Você sente que às vezes se perde ou se distrai com essa obsessão por computadores e perde a ideia essencial de compor procurando um som?

Eu acho que essas coisas andam juntas. Uma vez que você tentou ou ficou louco com a equipe tentando chegar a um som, aí você começa a tocar um pouco com a sua guitarra e percebe que esse som funciona muito bem com esse ou aquele riff, e de repente você diz: “Uau , isso tem que ser uma música!” E você chegou nela graças a esse som que melhorou o que você estava tocando ou o ajudou a se inspirar de uma certa maneira. Uma coisa leva a outra. A inspiração não vem apenas de experiências pessoais, de quem te machucou ou fez algo ruim (risos), também pode vir de sua equipe e de como você interage com ela.

Quanto aos microfones, você tem alguma preferência ou modelo para usos específicos?

Eu gosto muito da Audio-Technica. Eu uso muito os modelos AT4050 e AT4033. O AT3060 também, que eu uso em quase tudo! A Cascade fabrica microfones de fita muito bons e a um bom preço, eu tenho alguns Fat Heads e algum outro modelo.

Você mencionou anteriormente que quando você era criança era impossível ouvir música ruim. Como você vê esse momento da música? Parecido ou muito diferente?

Acho que hoje temos que procurar um pouco mais, mas está lá. Há mais música do que antes, o que torna o processo um pouco mais difícil, mas obviamente não impossível. Existem bandas incríveis hoje, minha favotira é a Thank You Scientist. Também adoro a Hakken.

Conte-nos um pouco sobre sua rotina de treino.

Eu sinto que nunca tenho tempo suficiente para praticar como gostaria. Para Sons Of Apollo, pratiquei muito mais porque queria anotar por nota, tudo seria perfeito. Este tipo de música tem fãs que parecem conhecer melhor as músicas do que eu mesmo! Então, quando estamos tocando, e esses fãs estão esperando aquele lick, aquele solo, aquele arranjo específico, eu não apenas quero tocar essa parte, mas tocar de uma maneira magistral e perfeita. Então eu pratiquei meus solos, transcrevi-os inteiros depois de gravá-los, até mesmo com qual dedo fiz o hammering ou o tap, e toquei-os tanto que os absorvi. Eu uso uma guitarra de braço duplo, então eu pratiquei muito pulando de um braço a outro sem deixar espaços, fazendo a transição mais limpa possível, procurando por momentos onde eu pudesse fazer isso, em quais acordes, os momentos certos.

Bumblefoot
Foto de Mick Rock

O que você recomendaria para desenvolver velocidade e precisão?

Tempo – e a maneira como você aborda sua prática. Você tem que começar muito devagar e acelerar pouco a pouco até a velocidade em que ainda está limpo, pois uma vez que você passa essa velocidade e começa a soar um pouco desajeitado, você não está ganhando velocidade porque está tocando mal, sem precisão. Então pratique com um metrônomo pouco a pouco e com o tempo, praticando efetivamente, você ganhará velocidade. A precisão deve estar lá o tempo todo.

A musicalidade é algo que pode ser aprendido ou estudado?

É algo que você pode permitir que aconteça, algo que você tem que deixar entrar. Às vezes leva tempo, às vezes a deixamos vir desde o começo sem perceber e é exatamente por isso que a temos desde os primeiros dias. Quando pensamos muito, fechamos a porta e tocar se torna mecânico. Se você se der permissão para sentir e deixar as outras pessoas verem seus sentimentos, o feeling virá à luz.

Me fale sobre sua guitarra.

Essa coisa estranha? (risos) Eu tenho um relacionamento com essa empresa francesa chamada Vigier (www.vigierguitars.com) já há 20 anos. Eles fazem todas as minhas coisas loucas se tornarem realidade. O modelo que tenho aqui e que uso regularmente é double neck, com e sem trastes. Os captadores são DiMarzio. Colocamos um capacitor no botão de volume para que, à medida que o volume diminui, o brilho no timbre aumente, para que eu não perca o brilho enquanto abaixo o volume. Minhas cordas são D’Addario.

E o seu sistema de amplificação?

Eu uso um cabeçote Engl Invader de 100W que normalmente vai para um gabinete Marshall ou um Engl 4 × 12 “.

No ponto em que você está na sua carreira, o que torna o Sons of Apollo interessante, especial?

As pessoas com quem tenho a oportunidade de estar na banda. Eu estive com alguns deles várias vezes e tocamos juntos informalmente em outros momentos, mas estando juntos e estando nas trincheiras tomando decisões, vivendo os altos e baixos de uma banda, essa viagem juntos é onde você realmente conhece a todos em um nível mais profundo. Eu estou em muito boa companhia.

Como se formou a Sons of Apollo?

Mike (Portnoy) me telefonou e disse: “Você sabe que estamos sempre falando sobre fazer uma banda juntos… Bem, Derek (Sherinian) e eu temos falado sobre fazer algo sério. Billy (Sheehan) está a bordo e nós temos Jeff Scott Soto também, e nós queremos que você seja o guitarrista”. A ideia era entrar no estúdio o mais rápido possível, fazer um álbum muito espontâneo, onde poderíamos escrever e gravar In Situ. E o momento era perfeito, já que eu estava bem no processo de lançar o disco do Art Of Anarchy (Jon e Vince Votta, John Moyer, Scott Stapp), e a turnê para esse álbum, então Derek e eu começamos a enviar ideias para chegar ao estúdio com uma base sobre a qual poderíamos trabalhar e usar uma estratégia tipo bola de neve, onde na parte da manhã começamos a trabalhar a partir da ideia de um riff, e no final do dia, teríamos uma música, talvez não completamente terminada, mas pelo menos a estrutura e/ou a ideia principal do que queríamos fazer com essa música em particular. Mike gravou suas partes enquanto as músicas estavam tomando forma e Billy e Jeff se juntaram assim que terminaram suas respectivas turnês com seus outros projetos para então finalizarmos o álbum. Uma vez que estávamos todos livres de compromissos, fizemos os últimos retoques, gravei os solos, alguns licks e vocais secundários no estúdio de Mike, e Jeff gravou as faixas de voz. Tudo foi muito rápido, ninguém questionou as decisões que tomamos, a atmosfera era muito confiante e respeitosa. Muitas pessoas me perguntaram se não foi complicado, ter cinco egos lutando entre si no estúdio, mas esse respeito que temos como músicos, e o fato de que ninguém tem nada a provar para o outro, fez as coisas fluírem incrivelmente bem! Eu não sei se é uma questão de idade, porque quando você é jovem sente que tem que provar a todos quem você é e o que pode fazer, mas hoje não é assim. Se alguém teve uma ideia, todos nós entramos a bordo. Então este primeiro álbum é um trabalho de grande pureza e honestidade. Você pode ouvir as nossas influências e inspirações musicais, The Who, Led Zeppelin, Van Halen, até Messhugah ou Korn… Certamente nos sentimos confiantes para levar partes nossas que em outro contexto (bandas ou artistas com quem nós trabalhamos), não teriam espaço.

Como isso é diferente do seu papel no Guns N ‘Roses?

No Guns N ‘Roses eu não poderia tocar uma seção atonal em métrica de 11, já que não funciona nesse contexto, mas aqui funciona perfeitamente já que é algo que incentivamos nessa banda! Para o próximo álbum nós falamos sobre levar as coisas para outro nível, empurrando e dobrando os limites, mas para este álbum foi algo como responder, “O que acontece quando você coloca um grupo de músicos e simplesmente os deixa ser?”

Algum conselho que você possa dar aos jovens e não tão jovens que estão começando neste negócio?

Como eu te disse antes, durma. Cuide do seu corpo e da sua mente.

E sobre como lidar com os negócios da indústria da música?

Oh Deus… Se eu pensasse sobre isso o dia todo, eu teria desistido. Especialmente hoje em dia, existem tantas pessoas incapazes na indústria, e você não percebe isso até que seja a vez delas, e elas não sabem agir. Há gerentes e agentes que podem sabotar todo o seu trabalho de anos em segundos, só com uma decisão ruim. Portanto, é uma boa ideia descobrir como cada uma das diferentes arestas dessa indústria é feita. Leva tempo, mas dessa maneira você pode se proteger identificando onde está o problema; Quem não fez bem o seu trabalho? E no processo você pode descobrir uma paixão secundária, como gerenciar itinerários ou logística. Mas um bom líder sabe como delegar, especialmente para pessoas que sabem como fazer as coisas melhor que você, então conhecer o negócio dá a você a ferramenta para saber quem realmente sabe como fazer as coisas. Sociopatas e manipuladores amam o negócio de entretenimento, voam em direção a ele como abelhas para o mel. Então você estará cercado por muitos deles e você tem que estar ciente. Mas faz parte do território, faz parte da escalada dessa montanha em particular. Haverá muitos momentos em que você irá cair e deve voltar a subir. Sem dúvida, a questão não é o destino, mas a viagem. As experiências, as vezes em que você teve que sair da sua zona de conforto, os lugares que você frequentou e que nunca pensou que iria, tanto fisicamente quanto emocionalmente… No final, tudo se soma e você acaba sendo uma pessoa melhor.

www.bumblefoot.com
www.facebook.com/bumblefoot
www.instagram.com/bumblefoot

Originalmente publicado na revista Músico Pro, Edição de julho de 2018 – Traduzido e publicado por Musicosmos com autorização de ©Music Maker Publications, Inc. – Todos os direitos reservados. All rights reserved. Visit musicopro.com