Fourplay: Terceiro Grau.

Uma visita ao "supergrupo" através de seus guitarristas.

Tenho a convicção de que o gosto musical de cada pessoa passa por uma evolução, embora dentro de certos limites na maioria dos casos. Meu próprio gosto musical não tem sido uma exceção. Quando eu era adolescente e descobri o rock da década de 1980, gostava de um monte de grupos relativamente leves como Bon Jovi, Cinderella, Scorpions, Guns’n Roses e, acima de tudo, Soda Stereo da Argentina. Tempo depois, eu descobri um dos meus artistas favoritos até hoje: Robi Draco Rosa e todos os que vieram na década de 90, especialmente o legado deixado por grupos como Nirvana, Pearl Jam, Soundgarden, Stone Temple Pilots, entre outros. Até então, pode-se dizer que meus gostos musicais tiveram uma evolução compreensível.

Então houve um importante ponto de virada. Eu ouvi pela primeira vez o grupo Fourplay. E fiquei absolutamente espantado com a alta qualidade de execução, sonoridade, composição e estilo. Isso mudou meu caminho musical para sempre e me influenciou enormemente.
Eu me tornei um seguidor do grupo desde então e apreciei cada um de seus álbuns, nos quais eu observei a evolução entre cada fase, de acordo com meu ponto de vista – evidente também nas mudanças de seus guitarristas ao longo dos anos.

Fourplay é um grupo de músicos destacados da cena musical e das sessões de gravação nos Estados Unidos. Integrado por Bob James no piano, Nathan East no baixo, Harvey Mason na bateria e, originalmente, Lee Ritenour na guitarra. Eles começaram sua carreira musical em 1991 depois de encontrarem-se na gravação do álbum Grand Piano Canyon, de Bob James – e até o momento lançaram quatorze álbuns.

Quero compartilhar minha visão pessoal dos estágios do grupo através dos diferentes álbuns. Considero que há uma primeira fase, onde o fantástico Lee Ritenour era o guitarrista. Creio que “Rit” foi crucial para definir o som e o caráter da banda. Seu background de jazz moderno e a fusão de ritmos é mais do que perceptível. Pode-se observar seus acompanhamentos criativos, mas acessíveis, o uníssono com o baixo e seus solos com um equilíbrio perfeito entre técnica e bom gosto. Uma qualidade impecável entre timbres de guitarra “Jazz Box”, Strat e seu trabalho altamente reconhecível com o violão de cordas de nylon.

Uma segunda fase do grupo veio com o grande Larry Carlton, que tem um certo espírito musical muito perto de Rit. Larry foi capaz de manter a identidade do quarteto com sua execução acertadíssima. Ele também deu um toque mais sujo com a sua característica “335” ligeiramente distorcida, suas melodias com pulsações de palhetadas marcantes sobre as cordas, além da passagem para as cordas de aço de seu violão Martin. Larry foi do quarto álbum “4” (1998) ao décimo-primeiro, “Energy” (2008), contribuindo com um sentimento um pouco mais perto do blues. O próprio Carlton foi transformado nesses dez anos com a banda. Foi muito energético nos anos 90 e muito mais sutil nos últimos anos. Basta vê-lo tocando “Bali Run” em um momento e em outro.

Finalmente, as responsabilidades guitarrísticas passaram às mãos do impecável Chuck Loeb durante os últimos três álbuns do quarteto, até sua morte por câncer no ano de 2017. Seu álbum de estreia com Fourplay inclui uma de suas composições chamada “Third Degree”, que celebra a sua entrada para o grupo como o terceiro guitarrista. Você ouve um Fourplay recarregado, com um espetáculo técnico e complexidade considerável. Chuck era um virtuoso do mais alto nível, como muito poucos. Conhecido embaixador das guitarras elétricas Sadowsky, manteve um som predominantemente limpo e, como Carlton, ele geralmente usava violão com cordas de aço e possuía um timbre muito bem calibrado.

Embora eu realmente goste do quarteto em todas as suas fases, devo dizer que a minha fase favorita foi com Lee Ritenour, que na minha opinião estritamente pessoal, tem o equilíbrio perfeito entre clareza e sujeira tanto no timbre quanto na execução. O modo que ele tinha de encaixar o som da guitarra de nylon (também Sadowsky), a maneira como você ouve os efeitos de reverb e delay são incomparáveis.

Em 2015 os três guitarristas participaram do álbum “Silver” comemorando o 25º aniversário do grupo de sucesso. Em suas performances mais recentes o saxofonista Kirk Whalum tem acompanhado a banda. Estou ansioso para ouvir o que virá destes gigantes da música.


TrueFire – videoaula “Larry Carlton’s 335 Improv” (publicidade)

O guitarrista Larry Carlton
Larry Carlton. By Sähkö – CC-BY-SA-3.0
carlosseveriche
Carlos Severiche

Carlos Severiche é um guitarrista colombiano que viveu muitos anos na Espanha. Ele foi colaborador de muitos artistas em diferentes estilos e liderou seu próprio projeto de jazz fusion instrumental. Ele também passa boa parte de seu tempo como professor de violão em diferentes lugares. Você pode ouvir seu álbum "Sentido Común" (2012) nas principais plataformas digitais. Siga-o no Instagram e visite o site www.carlosseveriche.com.

DEIXE UM COMENTÁRIO

Por favor escreva seu comentário!
Por favor insira seu nome aqui