Pedal NuX Atlantic Delay & Reverb

peda-para-guitarra-nux-atlantic-reverb-e-delay

Em um artigo anterior, conhecemos o NuX Masamune Booster & Kompressor. Neste artigo nos dedicaremos ao Atlantic Delay & Reverb, também da série Verdugo da mesma empresa asiática.

Com este pedal NuX duplo você também recebe uma construção séria e robusta, bem como um acabamento luxuoso em tinta metálica cinza escura e serigrafias em cinza claro. Na parte inferior há quatro borrachas antiderrapantes cobrindo os orifícios dos parafusos que mantêm a tampa fechada; do mesmo modo que fizemos com o Masamune, desistimos de abrir para evitar problemas.

O circuito é digital, não é true bypass, com conversão e processamento a 32 bit, frequência de amostragem a 44,1 kHz. Ele é alimentado apenas com fonte externa (não fornecida) e, no que nos diz respeito, não tivemos problemas com nossas fontes (veja o teste do Masamune). O consumo real não é informado, mas – considerando nossas fontes – deve ser de pouco mais de 100mA. Portanto, é aconselhável alocar não menos do que 200mA ao Atlantic para funcionamento otimizado.

Dois footswitches e seis efeitos

A parte de reverb está localizada no lado direito do pedal. Além do pedal de ativação com seu respectivo LED, temos os controles essenciais Level (nível de efeito) e Decay (decaimento das reflexões, ou dimensões da sala); um microinterruptor cuida da seleção do tipo de reverberação reproduzida pelos algoritmos do Atlantic: Hall, Plate e Spring; o nome das opções é muito pequeno e pouco visível, especialmente com pouca luz.

O delay fica à esquerda: pedal de ativação com LED, botão Level (nível de efeito), Repeat (número de repetições) e Time (duração do delay). No topo, um microinterruptor permite a escolha de três tipos de delay: de cima para baixo, 70’S – 60’S – 80’S, fazendo referência, na ordem, a um delay no estilo dos anos 70 – um modelo analógico via chip BBD (Bucket Brigade Dispositivo, desenvolvido na época pela Philips); Década de 1960, estilo fita analógica; e Anos 80, o clássico digital delay seco e limpo. Assim como na parte do reverb, aqui os nomes escritos sobre os microinterruptores são minúsculos; teríamos apreciado pelo menos um arranjo em ordem numérica 60-70-80 para facilitar a memorização.

Input Match & Routing

Olhando para a parte traseira do NuX Atlantic e a riqueza de opções, seu preço começa a parecer cada vez mais interessante: três soquetes são destinados a entrada e saídas mono ou estéreo; o soquete de entrada é do tipo TRS e pode ser ligado a um send/return com um cabo “Y”; um microinterruptor permite a adaptação a fontes de sinal de +4/-10 dB; outro micro-switch seleciona o tipo de roteamento em série ou paralelo. A configuração em série fornece, através de um simples procedimento, o posicionamento do reverb ou delay primeiro. Uma seção inteligente que incrementa muito as possibilidades de conexão com entradas e loops em nosso amplificador ou mixer.

pedal-nux-atlantic-loop-send-return
Como ligar o pedal em um Send / Return. Imagem de nuxefx.com

Logo acima do soquete para a fonte de alimentação, há um conector micro-USB para ligação com PC e atualização de firmware. O que obviamente tentamos fazer, mas encontramos no início alguma dificuldade em ter o pedal reconhecido pelo nosso PC com Windows 7. Então procuramos as instruções corretas e a atualização do firmware para a versão 1.5.1 foi feita rapidamente.

Pedal-para-guitara-Nux-Atlantic-Reverb-Delay-traseira
Opções de ligação do pedal Nux Atlantic. Foto: nuxefx.com

Reverberação

Com o microinterruptor configurado para Serial, iniciamos o teste de reverberação do Atlantic. Desnecessário dizer que os sons estão à altura da elevada qualidade habitual da marca. A emulação Spring de reverb de mola estilo Fender é quente e ressonante, a solução clássica para criar alguma ambiência até mesmo para aqueles que normalmente não querem ouvir efeitos. O efeito não é excessivo ou cintilante, é bastante quente devido a uma espécie de achatamento dos agudos, mas permite atingir a plenitude e o brilho apropriados para partes de surf music.

Na minha opinião, o modo Plate oferecido pelo Atlantic é muito apreciável: brilhante e suficientemente quente, reproduz bem a clássica reverberação das antigas salas de gravação.

Conforme as expectativas, a reverberação Hall possui a maior ambiência disponível neste pedal NuX. O botão Decay permite ajustar o tamanho de uma sala grande até um teatro com muitas reflexões. Tendo que escolher apenas uma ambiência, eu considero um reverb do tipo room talvez mais útil para os propósitos da guitarra, mas sabe-se que muitos guitarristas adoram cercar-se de um “efeito igreja” quando tocam um solo!

Manter pressionado o pedal faz ativar, com um leve salto de volume, o efeito Shimmer, uma espécie de redundância crescente que prolonga o efeito ambiente até que o pedal seja solto; é apreciável sobretudo no Plate e no Hall, mas devo dizer que também não é mau com o Spring. Não deve ser confundido com um efeito freeze.

Delay

Passando para os delays, começamos dizendo que a qualidade dos três tipos oferecidos parece ser entre boa e excelente, com o digital 80’s no topo por sua clareza e atraso de 80-800 ms. Mais quente, metálico e rechonchudo é o 70’s “BBD” (40-400 ms), enquanto o “tape” do 60’s (55-550 ms) tem a falta de foco necessária e a degradação progressiva do sinal conforme as repetições se seguem, com muitas flutuações e efeitos “alienígenas”. Devo dizer que esses três delays cobrem as necessidades médias de qualidade e variedade do guitarrista.

Os tempos de atraso indicados prolongam-se até 1 segundo e meio (1500 ms) quando a função Smart TAP (tempo) é ativada, premindo o pedal de acordo com as necessidades. O botão Time, neste caso, torna-se o seletor de divisão de ritmo, de 1/8 a 1, faltando 1/8 pontuado.

pedal-nux-atlantic-botão-de-tap-division
Botão Tap Division. Ilustração de nuxefx.com

Dois pedais pelo preço de um

No teste de uso musical o NuX Atlantic mostrou qualidade. Reverbs e delays são úteis e agradáveis, até mesmo em emulações vintage. O Tap Tempo também é bom. Não devemos esquecer a possibilidade de ter dois efeitos tão importantes juntos e também em paralelo, com a divisão do sinal seco na entrada e reunido de novo na saída, após receber os efeitos: uma sensação de riqueza coesa de reverberação e eco que o faz soar natural.

Se considerarmos o preço baixo para os recursos que tem, a versatilidade e a qualidade do NuX Atlantic, eu recomendaria experimentá-lo antes de comprar outros efeitos mais famosos.


Originalmente publicado na revista Axe Guitar Magazine nº 12 – Traduzido e reproduzido por Musicosmos com autorização de Edizioni Palomino, Rome (Itália) – © Edizioni Palomino – Todos os direitos reservados.


DEIXE UM COMENTÁRIO

Por favor escreva seu comentário!
Por favor insira seu nome aqui