Rápido ou lento? Os dois.

nuno-mindelis-em-paraty
Foto de Nando Pires

Ouvi algumas vezes (com temerária frequência) em programa de rádio de emissora influente, levado ao ar em tom didático em horário nobre, que os “músicos que tocam rápido são desonestos“. De onde teria vindo essa informação estapafúrdia? Veremos. Por se tratar de assunto específico (música segmentada) e de forma geral mais especializado, os ouvintes leigos evidentemente acreditavam e assimilavam como correto tudo o que eles lhes era transmitido. Por isso disse temerário. Mas o programa estava longe de dominar o assunto com a profundidade requerida.

Ora, a levar a sério uma afirmação dessas, gênios como Al De Meola, Chick Corea, Paco de Lucia, Keith Jarret, John McLaughlin, Art Tatum, Oscar Peterson (só para citar alguns) e centenas (senão milhares) de outros seriam desonestos.

A opção pela velocidade ao executar um instrumento é pessoal. É como uma conversa, há momentos em que se fala mansamente, outros em que se fala mais apressadamente ou mais alto, murmurando, fazendo pausas, enfim. Numa entrevista (das dezenas que ouvi e em que essa incorreção era sempre mencionada) um experiente representante americano do gênero corrigiu, cortante:

“Não é desonesto não, é uma questão de estilo próprio, opção e especialmente proficiência, estudo.”

Aí está. Foi preciso chegar uma autoridade americana. E dá para começar a entender de onde vinha a ideia equivocada e inédita?

Conto esta historinha para esclarecer aos que (ainda) eventualmente se interessem por dominar um instrumento (nestes tempos em que eles foram substituídos por apertar botões) uma regrinha básica: você pode tocar rápido e almejar ser virtuoso se essa for a sua vontade e peso da influência dos seus virtuosos heróis. Mas para ser instrumentista nesse nível, é fundamental que

  • 1) Estude, em primeiro lugar
  • 2) estude de forma lenta, até aprender muito bem

Quem sabe tocar (bem!) com o metrônomo lento saberá tocar com ele rápido. Estudo deve ser sempre realizado com metrônomo lento. Portanto, não é desonesto quem toca rápido, será mais desonesto (ou, para ser generoso, redondamente equivocado pelo menos) quem não consegue tocar rápido (porque nunca aprendeu direito lento) e chama de desonesto quem consegue.

Abraço.

Nuno Mindelis
Nuno Mindelis
Guitarrista | Website

Nuno Mindelis  teve o primeiro reconhecimento internacional pela Guitar Player Magazine/EUA, a Bíblia mundial da Guitarra, que nos anos 90 o comparou ao lendário Jimmy Page, guitarrista do Led Zeppelin. Pouco depois, foi eleito o melhor guitarrista independente de Blues ao vencer o 30th Anniversary Guitar Player Magazine Competition, concurso promovido pela mesma publicação. Gravou e fez turnês com a banda Double Trouble, (banda de Stevie Ray Vaughan) e participou de importantes festivais internacionais , anunciado ao lado de nomes como Prince, Diana Krall, George Benson, Oscar Peterson, Jimmy Vaughan, B.B King e muitos outros.

Foi incluído na lista dos 30 melhores guitarristas brasileiros de todos os tempos da Rolling Stone Brasil.

DEIXE UM COMENTÁRIO

Por favor escreva seu comentário!
Por favor insira seu nome aqui