Mixagem e masterização com David Gnozzi

engenheiro-de-mixagem

O Mixbus TV é um dos maiores canais do Youtube dedicados ao mundo da mixagem e masterização, conhecido internacionalmente, e talvez nem todos saibam que o canal nasceu na Itália a partir de uma ideia de David Gnozzi, engenheiro de mixagem e masterização que trabalhou com artistas do calibre de Ladytron , Falix Da Housecat, McSolaar, Romance Raygun (Powerman 5000), Robben Ford, Valeria Rossi e muitos outros.

Olá, David. Você pode nos contar como começou sua carreira no mundo do áudio profissional?

Oi Andy, saudações a todos os leitores. Comecei como músico profissional, com dois álbuns pela a Universal Records e Danse Macabre Records. A transição de músico para engenheiro de som foi muito natural. Como músico eu não estava satisfeito com a sonoridade que tirávamos no estúdio, mesmo em estúdios de alto nível, daí a vontade de tentar eu mesmo. Desde o início os resultados foram bastante satisfatórios, ainda que, em retrospectiva, muito imaturos – e a paixão pela “outro lado” nasceu imediatamente.

Depois de um tempo, tive a chance de fazer remixes oficiais para artistas como Ladytron e Felix DaHousecat, remixes de grande sucesso. Pouco depois, meu descontentamento com a vida de músico e a crescente paixão pela engenharia de áudio fizeram o resto. Troquei minha carreira de músico pela de engenheiro de mixagem, recebendo cada vez mais pedidos de mixagens e masterizações, embora nos primeiros anos eu nunca tenha divulgado minha “nova” posição, não acreditava que pudesse realmente se tornar uma carreira, certamente não nesse nível. Não foi, e ainda não é, um caminho fácil. Há muitos sacrifícios pois este é um campo extremamente competitivo, especialmente onde eu estou agora, em Los Angeles, lado a lado com os melhores do mundo.

O seu canal no Youtube é um dos que mais tem seguidores no mundo dos profissionais de áudio, o que o inspirou a iniciar esta aventura online?

Mais uma vez, frustração. Acontece que eu procurava novas ideias ou pelo menos me mantinha atualizado e aprendia coisas novas no meu caminho como engenheiro de áudio, e depois de um tempo era frustrante ver que uma grande parte do material disponível, a informação nos fóruns e os vídeos do Youtube eram de baixa qualidade, explicados de maneira pouco clara – na melhor das hipóteses – ou totalmente errados mesmo.

Os primeiros vídeos que fiz foram para amigos próximos, foi mais fácil para mim compartilhar minha tela com eles do que para explicar com palavras. Eu sabia pouco ou quase nada sobre o Youtube e tudo o que acontece lá. Os primeiros vídeos, no entanto, foram descobertos e vistos por muitas pessoas. Os comentários sempre positivos e os primeiros pedidos específicos me fizeram perceber que ter a possibilidade de ajudar os outros era extremamente gratificante. Depois de alguns vídeos o canal cresceu em número de assinantes (tão rápido que o logotipo temporário se tornou definitivo) e eu, para minha surpresa, descobri que os assuntos e técnicas que eu ensinava e que para mim eram “básicos” eram na verdade desconhecidos para a maioria.

Depois houve a parceria oficial com o Youtube e várias empresas ao redor do mundo começaram a entrar em contato comigo para que eu fizesse análises em vídeo de seus produtos e também consultoria.

David-Gnozzi-produtor-engenheiro-de-audio

Há algum tempo você se mudou para Los Angeles, foi uma escolha profissional ou de vida?

Absolutamente profissional. Minha transferência foi planejada por um longo tempo na verdade, mas como você pode imaginar, para uma mudança tão radical (e definitiva), muitas coisas tiveram que se alinhar. Uma das coisas que me levou a tomar essa decisão, mesmo que vários detalhes não tenham saído perfeitamente como planejado (e não saíram mesmo), foi a minha masterclass aqui em LA em setembro passado: quando eu anunciei minha presença por alguns dias em Los Angeles, Dave Pensado, que já havia me procurado anteriormente para me cumprimentar e apenas bater um papo, entrou em contato comigo convidando-me para o seu estúdio (tudo isso aconteceu durante a minha transmissão ao vivo).

No dia seguinte à minha chegada em Los Angeles nos encontramos e foi uma longa conversa, na qual o próprio Dave me aconselhou a “ficar aqui”. Era a hora certa, o momento de fazê-lo, e sou grato a Dave não apenas por sua amizade, mas pelos conselhos e sugestões que ele me deu. Quando uma lenda como Dave lhe diz uma coisa, é definitivamente algo para você pensar.

Recentemente você se tornou um dos professores da Pro Mix Academy, juntamente com alguns dos mais renomados engenheiros de mixagem do mundo, você pode falar sobre seus cursos premium de mixagem e masterização?

Claro. O Youtube é a minha maneira de ajudar o máximo de pessoas que for possível, mas é apenas a ponta do iceberg. Com grande alegria eu aceitei a proposta de ser um dos professores da ProMixAcademy, meus cursos premium são cursos completos desde os primeiros passos até a masterização final de projetos reais, para lançamentos comerciais. Os cursos premium são anos de experiência ao alcance de estudantes que não apenas têm horas e horas de vídeos, mas também minhas sessões reais de Pro Tools e faixas originais. Com anotações pessoais em cada faixa e vídeos que explicam cada etapa da mix e do processo de masterização, hardware de gravação e mixagem.

Meu curso completo “Hip Hop” também já está disponível, tornando-se o mais vendido do gênero algumas semanas após seu lançamento, um mini-curso de gravação de bateria (com Matt Starr baterista de Ace Frehley e Mr. Big) e em algumas semanas o novo curso de gravação, mixagem e masterização ALT METAL será lançado e será um curso muito denso e informativo, independentemente do gênero. (Para saber mais sobre os cursos de David, clique aqui)

Em relação à mixagem e masterização, você trabalha completamente In The Box ou usa um sistema híbrido analógico / digital?

Eu mixo 90% em sistema híbrido, em um dos meus setups uso apenas 16 canais externos analógicos incluindo compressão, eq e saturadores, mas chego facilmente a 32. No meu antigo estúdio na Itália eu tinha 48 canais, 36 canais analógicos (nem sempre todos necessariamente em uso).

Aqui em Los Angeles, minha nova sala terá este mesmo número de canais, no momento eu mixo em diferentes estúdios como Echobar, Barefoot Recording, Harmony e outros, e como você pode imaginar, tenho mais canais disponíveis do que posso usar em uma mixagem. Com isso eu absolutamente não quero passar a mensagem de que mixar ITB é impossível. Na verdade, dois cursos profissionais de mixagem e masterização que fiz para a Pro Mix Academy são voluntariamente mixados e masterizados completamente ITB (com exceção apenas de um compressor 2bus para o qual cito opções para replicar o resultado ITB). Mas para mim, que comecei mixando sempre em analógico, é mais simples, mais rápido e sim, o resultado é – até mesmo por estas razões – melhor.

O analógico ainda é melhor para algumas coisas em relação aos plugins. Os plugins fazem coisas que o analógico simplesmente não pode fazer. Precisamos dos dois se nos compararmos, como se deve fazer, com o Top 10.

O Mix Bus ou Master Bus é o ponto mais sagrado para todos os engenheiros de mixagem, você pode revelar sua cadeia de hardware ou software favorita?

Certamente, afirmo que minha escolha é o resultado de anos de experimentos, dezenas de mixagens e gosto pessoal. Há anos o meu 2bus é composto por um par Neve 542 tape emulators, eu fui um dos primeiros a usá-los, seguido pelo meu compressor master Wes Audio Dione, um compressor SSL Style, 100% analógico controlado digitalmente (o futuro da analógico) com VCAs Gold DBX reais, os mesmos originalmente montados nos primeiros SSL G.

Depois dessas duas unidades, meus equalizadores mudaram ao longo dos anos, minha configuração atual tem o novo Drawmer 1974 (ainda não está à venda, tenho um dos dois únicos modelos existentes) como paramétrico seguido pelo Wes Audio _Prometheus, um Pultec solid state, novamente 100% analógico controlado digitalmente. Como você pode ver, há uma tendência, Wes Audio simplesmente tem um sistema que hoje é o melhor do mercado e os componentes analógicos são top, DBX Gold VCA (originalmente montado no SSL G), transformadores Carnhill etc.

Para mim, a possibilidade de ter backup imediato e controle remoto de minhas unidades é extremamente importante, especialmente aqui em Los Angeles, onde os prazos de entrega são sempre curtos e muitas vezes é necessário mudar de um projeto para outro várias vezes ao dia.

engenheiro-de-masterizacao-mixagem

Quando você não masteriza a música que mixa, passando a um Engineer Mastering externo, em que formato e níveis de referência você entrega seu trabalho?

Raramente acontece de o cliente não querer que eu masterize o trabalho, mas se eu não masterizo minha mixagem, o cliente, a produção nesses casos, já tem um planejamento e portanto também um engenheiro de masterização esperando minhas mixagens.

O nível entendido como “peak level” é muito menos importante do que a tagarelice dos fóruns fazem você pensar: se você mixar em qualquer DAW profissional hoje, você trabalha em 32 bits floating point, então você não vai clipar e não precisa usar um brickwall limiter para evitar a clipagem no master (porque não resolveria nada, mas pioraria o problema básico, um gain staging incorreto e uma mixagem amadora) não há diferença entre entregar uma mixagem com um pico de -2db ou – 12db. Eu sou particularmente consistente com minhas mixagens, simplesmente porque mixando em minha cadeia 2bus, os saturadores (Neve) têm um sweet spot específico, assim como o Dione, então conseqüente o nível final de minhas mixagens fica consistentemente em torno de -6db. Mas, novamente, não é o pico nominal que conta, mas o crest factor (um dos meus vídeos mais famosos fala disso).

Em relação ao formato, obviamente, entrego na taxa de bits mais alta possível, 32bit, para a taxa de amostragem honestamente eu não sou fã de altas taxas, a maioria das faixas que são enviadas para a mixagem são 44.100, algumas para 48.000, raramente em 88.100, ainda mais raro é 96.

88.100 tem uma qualidade realmente maior, provavelmente não perceptível para a maioria dos ouvintes casuais, mas muda a maneira como os plugins funcionam (não deveria ser se eles estivessem perfeitamente codificados, mas muitas vezes é uma limitação que não é possível mudar), mas 44.100 é perfeitamente aceitável para produtos profissionais.

Muitos hits foram gravados e mixados a essa taxa de amostragem. Aumentar a taxa de amostragem no final do mix não faz sentido, então eu mixo e entrego a mesma taxa de amostragem em que recebo as faixas.

Você pode recomendar um plugin e uma unidade de hardware que você sente que é um “must have”?

Êpa! Uma pergunta muito difícil, você pergunta para alguém que não tem mais espaço físico. Nós já falamos sobre minha cadeia 2bus, então você já sabe quais são meus favoritos, mas Distressor é obrigatório, eu tenho 4 e sempre é pouco – e uma nova unidade que me surpreendeu positivamente nos últimos meses é a nova Golden Age Comp-2A que tenho escolhido muitas vezes em detrimento ao clássico LA-2A.

O mundo dos plugins é vasto, sabemos que o Waves SSL Channel G está em todos os meus canais, mas eu entendo que não é sexy como resposta, então eu respondo com alguns dos meus favoritos: Audiority Abuser, Izotope Neutron e Limiter N6 . Para efeitos, o novo TC Electronic com controladores dedicados é fantástico.

Você tem trabalhado neste setor há muitos anos, que conselho você daria a um menino que quer seguir essa carreira?

Tenha calma. Você não aprende a mixar em 1 mês, 1 ano ou 3. E qualquer um que tente vender “atalhos” está vendendo fumaça. Meu conselho é estudar, compreender profundamente o básico primeiro e não tentar ter todo o domínio possível no primeiro dia em que você se sentar na frente de um DAW. E pratique todos os dias, isso é fundamental.

O outro conselho é cultivar relacionamentos interpessoais, relações públicas, o que pode potencialmente levá-los a trabalhar com clientes de alto nível. Isso – os contatos que você tem fora do estúdio – infelizmente, é um aspecto tão importante quanto o talento que você tem como engenheiro de mixagem.

Para terminar, nossas duas perguntas obrigatórias: 1 – Qual microfone você levaria para a ilha deserta?

SM7, sem sombra de dúvida.

2 – Qual foi a coisa mais fuleira que você usou para a produção ou mixagem de uma música?

Um teclado de brinquedo que emite “miau” nas notas.

Adeus, David. Obrigado pelo seu tempo.

Obrigado pela entrevista um abraço a todos!

Andy Cappellato

Licença Creative Commons

DEIXE UM COMENTÁRIO

Por favor escreva seu comentário!
Por favor insira seu nome aqui