Leitura para guitarristas

leitura-para-guitarristas

Para uma boa  parte dos guitarristas, o estudo de leitura de partitura é intensificado somente no período preparatório para os vestibulares das faculdades de música, ao contrário de outros instrumentos que usam a notação no pentagrama desde as primeiras aulas. A leitura pautada na guitarra parece ser uma necessidade profissional apenas os integrantes de big bands ou músicos que trabalham em estúdios de gravação.

Dificuldade na leitura

O fato de poder existir uma nota na mesma altura ou oitava em regiões diferentes no braço do instrumento, obriga o guitarrista a posicionar-se ou escolher a digitação antes de dar início à leitura da partitura. Veja no exemplo abaixo as quatros regiões do braço em que a nota sol na segunda linha do pentagrama (nota que abre a clave de sol) pode ser encontrada com o auxílio da tablatura.

No ensino de harmonia, o guitarrista iniciante assimila os acordes como “posições” estabelecidas representadas pelas cifras, notação também utilizada por outros instrumentos. A praticidade da leitura de cifras é inegável, porém, no caso das seis cordas, a dificuldade em se visualizar vertical e horizontalmente a distribuição das notas não favorece o entendimento da formação dos acordes logo nas primeiras aulas.

Tablatura x Partitura

A tablatura é um sistema onde as linhas representam as cordas do instrumento. Os números a serem registrados nas linhas ou cordas são as casas no braço onde o dedo do intérprete deve ser posicionado.

Dotada de um entendimento muito mais simples do que a partitura, a tablatura é um recurso cada vez mais usado no ensino dos instrumentos de corda, sobretudo nos dias de hoje quando a velocidade de informação é cada vez maior deixando de lado a importância da formação em geral.

O fato da tablatura ser apenas um localizador das notas na região do braço auxilia a execução apenas de músicas de conhecimento próprio do músico pois não existe o registro de ritmo ou duração das notas. Já a partitura ou pentagrama é um sistema de notação muito mais completo que permite a execução de qualquer música inclusive por outros instrumentos. Além disso, o músico compositor e arranjador que necessita de outros instrumentistas para a reprodução de sua obra, encontra na escrita pautada um recurso bastante prático  graças à existência de ótimos softwares de escrita.


gabi-gonzalez
Gabi Gonzalez

Natural da cidade de São Paulo, Gabi Gonzalez é formada em guitarra pela ULM "Tom Jobim", pós-graduada em Educação Musical pela FIC, especialista em música popular pela FACCAMP e graduada em História pela USP. Desde 2001 trabalha  como guitarrista profissional tocando em diversos projetos de diferentes estilos como Jazz, Blues, Rock, Hip Hop e etc. Influenciada pelo seu professor Olmir Stocker, começou compor seus próprios temas instrumentais com forte influência de ritmos brasileiros. Seu primeiro disco, Morro do Eixo, foi lançado em 2012 com o show no projeto Instrumental Sesc Brasil no Sesc Consolação. Em 2017, gravou seu segundo disco Com Elas com  o grupo feminino Elas Quarteto. É professora de guitarra e violão e pesquisadora na área de musicologia.

1 COMENTÁRIO

  1. Antigamente eu usava um outro sistema, um tipo de tablatura. A gente colocava números para cada nota da partitura para identificar em qual casa era aquela nota, algo assim. Nem me lembro direito como funcionava. Bons tempos. rs…

DEIXE UM COMENTÁRIO

Por favor escreva seu comentário!
Por favor insira seu nome aqui