Rápida história da guitarra

historia-da-guitarra-telecaster-fender
Fender Telecaster. Massimo Barbieri [CC BY-SA 3.0], via Wikimedia Commons

A história da guitarra elétrica começa junto com a do Rock, na década de 50. O Blues e o Country já tinham feito seus surgimentos e a guitarra ainda estava num período embrionário, com as acústicas, que desde os anos trinta já eram fabricadas artesanalmente. Ainda não tinham surgido as guitarras de corpo sólido em escala industrial. Apenas protótipos e tentativas não bem sucedidas.

Até que em 1951, um luthier e fabricante de instrumentos, chamado Leo Fender começou a fabricar um modelo de guitarra chamado Telecaster. Este nome é em homenagem às telecomunicações, tema em alta na época. Este foi o primeiro modelo de guitarra sólida a ser fabricado em massa. Um modelo simples em todos os aspectos. Dois captadores e dois knobs (potenciômetros), um de volume e um de tom. Um corpo totalmente reto, sem arredondamentos nas bordas e um braço aparafusado e alinhado ao corpo.

“A mãe” das guitarras que vieram depois. Em pouco tempo a Telecaster ganhou a simpatia dos músicos em todo território americano, dando um upgrade na música em geral. Ela é a guitarra mais usada na música Country e no Folk, devido à sua sonoridade mais aguda, mas é bastante usada também no Rock. O maior ícone que a tem como número 1, é keith Richards.

Em 1952, a concorrente Gibson resolveu colocar nas vitrines um modelo sólido chamado Les Paul. Nome de um famoso guitarrista de jazz, que participou na idealização do modelo.

Vislumbrando o grande mercado que a Telecaster abriu, a Les Paul também veio pra ficar e fez uma evolução em relação às Telecaster.

Dois captadores, mas quatro knobs, dois para cada captador, aumentando os recursos de sonoridade. Ela apresentou uma  construção mais elaborada, com um corpo menor em diâmetro, embora mais alto na parte central, para que a ponte fique elevada e um braço colado ao corpo e não alinhado, seu ângulo é direcionado para trás, quando visto de lado. Existe uma teoria de que ela foi inspirada no violino. Todas essas diferenças  trouxeram uma sonoridade mais potente e versátil.

gibson-les-paul
Gibson Les Paul. Lubbad85 [CC BY-SA 4.0], via Wikimedia Commons

“A evolução”. Os maiores ícones que colocaram a Les Paul numa posição de “Rainha do Hard Rock”, foram Jimmy Page, Pete Townshend, Peter Frampton, Billy Gibbons, Joe Perry, Slash e muitos outros.

Mas em 1954 , Léo Fender iria trazer a maior revolução em modelos de guitarra. A Stratocaster (nome derivado de stratosphere, outro assunto em alta na época), veio com três captadores, uma ponte móvel com alavanca e um corpo cheio de bordas arredondadas para aumentar o conforto. Além de ter cinco chaves seletoras de timbre. O que a torna a mais versátil. Podendo ser usada em qualquer gênero musical com tranquilidade.”Totalmente surreal”. Ele simplesmente fechou o baú. A Stratocaster até hoje é a campeã mundial de vendas muito longe de todas as outras. Especialmente depois de muitos grandes mestres a terem como seus modelos número 1, como Jimi Hendrix, Eric Clapton, David Gilmour, Ritchie Blackmore, Mark Knopfler, Steve  Ray Vaughan e muitos outros.

“Totalmente surreal”. Ele simplesmente fechou o baú. A Stratocaster até hoje é a campeã mundial de vendas muito longe de todas as outras. Especialmente depois de muitos grandes mestres a terem como seus modelos número 1, como Jimi Hendrix, Eric Clapton, David Gilmour, Ritchie Blackmore, Mark Knopfler, Steve  Ray Vaughan e muitos outros.

Após a criação desses três modelos, foram criados muitos outros, mas podemos dizer que tudo que foi feito depois disso, foi mais do mesmo. Todos os modelos criados depois, de alguma forma foram copiados desses três. 

Veja um vídeo explicativo sobre a história da guitarra e os principais modelos no meu canal do YouTube:

Curso online de guitarra: 7 passos para você criar solos incríveis na guitarra

Trabalho autoral:

EP “No Ronco dos Motores”


anserson-paiva-a-essencia-da-guitarra
Anderson Paiva
Toco guitarra desde os 15 anos de idade. Minhas maiores influências foram os grandes mestres da década de 60. Hendrix, Clapton, Page e Gilmour.
Portanto, meu conceito e estilo são pautados na busca pelos timbres orgânicos, encontrados nos modelos clássicos de guitarra e numa tocabilidade com sentimento e criatividade.
Daí  o nome da coluna, deixando claro a linha de conceito que compartilho.
Ao longo da minha experiência de mais de vinte anos como guitarrista e professor, desenvolvi um método simples e direto de fazer o aluno que já toca guitarra aprimorar a criatividade e o sentimento.
O aluno aprende a criar solos incríveis, com personalidade, seguindo os mesmos caminhos que os grandes mestres.
Através de uma visão no braço da guitarra , o aluno aprende os caminhos que favorecem a criação de solos com muita criatividade, sem o pragmatismo das escalas. Esses caminhos foram traçados pelos grandes mestres, muitas músicas deles são exemplificadas no curso. O aluno também aprende a imprimir as técnicas que favorecem uma tocabilidade com mais sentimento dentro desses caminhos.
Meu canal no YouTube traz todo um conteúdo aprofundado sobre o universo da guitarra. Com muitos tutoriais, documentários e um curso de guitarra gratuito sobre o estilo do mestre Jimi Hendrix, "Licks Between Chords".
Tenho também um trabalho autoral no estilo Rock Clássico com influências do Blues. Um EP intitulado "No Ronco dos Motores", com 4 faixas.
Está disponível em todas as plataformas digitais.

DEIXE UM COMENTÁRIO

Por favor escreva seu comentário!
Por favor insira seu nome aqui